Como conhecer novas pessoas na faculdade

Pode ser qualquer um, desde aprender a falar mandarim a fazer sushi: além de estar a adquirir novas competências que o farão sentir-se realizado e até enriquecer o currículo, haverá uma série de pessoas fechadas consigo na mesma sala duas ou mais vezes por semana, com interesses idênticos aos seus (pelo menos aquele que os fez a todos inscreverem-se). Como Fazer Amigos na Faculdade. Entrar na faculdade é ao mesmo tempo emocionante e assustador. Você ganha muita liberdade, porém entra em um ambiente totalmente novo, cercado por centenas de pessoas desconhecidas. Fazer novos amigos exige... Como Conhecer um Rapaz na Faculdade. Conhecer rapazes na faculdade pode até parecer difícil, mas lembre-se de que quase metade da população de estudantes universitários é masculina. Mantenha as opções abertas procurando garotos nas suas... fazer faculdade em outra cidade (2) Cinema e Audiovisual (1) Jornalismo (1) Publicidade e Propaganda (1) Relações Internacionais (1) administração de empresas (1) amigos na faculdade (1) como conhecer pessoas novas (1) como fazer amigos (1) ensino superior (1) ensino superior completo (1) experiência profissional (1) formação superior ... Como conhecer pessoas novas: veja dicas simples e aplicativos práticos ... mas uma ótima maneira de conhecer novas pessoas é se relacionando com os conhecidos de seus amigos. O clima é mais agradável sabendo que sempre que for preciso alguém que você gosta estará do seu lado, mas também é uma ótima oportunidade para conversar e fazer ... Agora você sabe como fazer amigos na faculdade e tem os melhores passos para garantir que novas relações surjam com naturalidade. Esperamos que aproveite cada dica e tenha excelentes experiências no ambiente acadêmico. E, caso queira ajudar outras pessoas que têm o mesmo objetivo, compartilhe este post em suas redes sociais! Nós chegamos a falar sobre algumas dicas para você conseguir conhecer pessoas novas além da internet, mas pensamos por aqui que existem outros lugares e ocasiões incríveis, e aos quais você com certeza tem acesso, que também podem ser uma mão na roda para isso. O melhor a fazer, então, é ficar ligada nessas opções e não perder a chance.

Finalmente Criei coragem de postar... Senta que lá vem história.

2020.09.30 13:42 DarkDollynho Finalmente Criei coragem de postar... Senta que lá vem história.

Eu tenho acompanhado a comunidade faz algum tempo, e antes de escrever o que preciso quero agradecer por vcs existirem e estarem dispostos a compartilhar e receber historias de todos os tipos e cantos.
Vamos lá!
Sou o clássico guri dos anos 90 que vibrou com o penta, jogou super Nintendo e agora ta beirando os 30 anos.
Sofro com depressão e ansiedade desde que me entendo por gente, sinceramente não sei se vem da situação familiar ou se é algo crônico.
A real é que meus pais (como boa parte das famílias dos anos 70,80 e 90) não se amam e nunca se amaram (muita gente se juntava por necessidade mesmo) e acho que isso pode ter influenciado um pouco na forma como vejo o mundo.
Meu pai tinha um casamento, do qual ficou viúvo e desse casamento 4 filhos (3 usam drogas e 1 desapareceu).
Ele então se casou com minha mãe e eu nasci (em seguida outros 2 irmãos), convivi com 1 dos meus irmãos por parte de pai que sempre deu problemas, desde uso de drogas, porte de arma, roubos, etc.
Bom exemplo foi algo complicado durante a infância, pois minha mãe vivia tretando com meu pai por conta desse meu irmão, que não é filho dela, até entendo.
Meu pai sempre desconfiou que minha mãe havia/estava traindo ele, e desde os meus 8 anos meu pai me usava como psicólogo dele, desabafando e jogando todo tipo de pensamento na minha cabeça.
Eu era bem religioso (não sei se era uma fuga) e cresci com isso, entre caraminholas da cabeça do meu pai e tentar ser uma criança.
Eu tbm fui abusado por um cara conhecido da família. Não quero entrar nesse mérito.
Sempre apanhei muito pra aprender matemática (nunca aprendi de fato) enquanto convivia com meus irmãos e tal.
Quando cheguei nos 16 anos mais ou menos a aposentadoria do meu pai foi cortada, ele já com idade avançada e minha mãe tbm, meti a cara trabalhar.
Pagava meus próprios cursos e comia 1 pacote batata palha no almoço pra economizar dinheiro.
Passei por empregos porcarias, que nem vou adicionar a historia, mas que tenha certeza que contribuíram negativamente na minha vida.
Conheci minha ex namorada na igreja, ficamos juntos por muito tempo.
Eu sempre quis ser o namorado perfeito, daquele que dizia: "se minha namorada não pode ir comigo, aquele lugar não eh pra mim." (talvez um erro sobre individualidade)
Foram 8 anos bacanas, entre altos e baixos na minha família sempre coloquei minha ex em primeiro lugar.
Trabalhava pra ela poder estudar e fazer faculdade(eu tbm estudava), levava ela pra todo canto quando precisava, ajudava com trabalhos, treinava ela pra entrevistas, pagava cursos...
Até que conseguimos entrar na empresa dos sonhos (ela primeiro, eu dps) de qualquer pessoa da área de TI (ambos na msm empresa)... Volto nesse ponto dps, muito importante.
Nesse meio tempo uma das minhas irmãs drogadas por parte de pai apareceu, com 1 filha recém nascida... Ela estava presa e perdeu a guarda da criança.
Então lá vai eu ajudar meu pai a conseguir a guarda, entre visitas a outro estado pra ver a neta e dinheiro para advogado. (o advogado morreu durante o processo mano)
Conseguimos a guarda, minha irmã saiu da cadeia e fez da nossa vida um inferno (ainda faz, ainda estamos criando uma criança que não tem pai e tem uma mãe drogada).
O relacionamento dos meus pais que já era ruim, piorou, eu no meio dessa merda toda já tinha tentado o suicídio 2x...
Nessa época comecei a perceber que minha ex não se preocupava comigo como eu me preocupava com ela, ela não se importava com minha saúde mental, não se importava com a minha pessoa, a sensação era que ela tinha se acostumado seja com a boa vida, seja com a constância que a vida tinha tomado.
Eu tinha juntado dinheiro para irmos pra outro país fazer intercambio, pensava em pedir ela em casamento la, 9 anos de namoro já era bastante... Ela não se empenhou em absolutamente nada, parou no tempo. quando ela não conseguiu o visto simplesmente não se importou.
Ela tinha arrumado um amigo na empresa, e foi aqui que a merda bateu de vez no ventilador.
Ideias de balada gay entre ela e o amigo apenas (ele assumidamente gay), viagens entre apenas os dois. Eu concordava, mesmo me remoendo de ciúmes por dentro. Sempre prezei pelo "Eu confio, eu a conheço". (meus amigos diziam que eu era otário por tratar ela tão bem, fazer de tudo)
Nesse tempo eu já fazia acompanhamento psicológico e psiquiátrico (minha psiquiatra era mais amor que minha psicóloga).
aguentei quase 1 ano disso, desistimos da viagem, comprei 1 casa ao invés de viajar (ela nunca quis sequer visitar o imóvel), após uma transa ela simplesmente começou a chorar e disse: Quero terminar.
Foi bizarro. Absurdamente bizarro.
Eu estava no extremo na minha vida pessoal com minha família, e meu porto seguro era o relacionamento (não dos melhores, mas estava ali há bastante tempo), neguei propostas de emprego fabulosas pra ficar com ela e isso agora?
Decidi seguir em frente, tendo crises de pânico e ansiedades como nunca antes, com a família SEMPRE dizendo, isso é falta de Deus, isso é frescura, esses remédios estão te matando, isso é falta de vergonha na cara, conheço pessoas que se mataram e quem se mata não avisa....
Nesse meio tempo minha psiquiatra (que era melhor que minha psicóloga) morre em um acidente de carro, ainda não superei.
3 semanas depois minha ex assume o namoro com o "amigo", moramos a 1km do outro, trabalhamos em uma empresa em outra cidade e temos que pegar ônibus juntos e trabalhamos no mesmo prédio com diferença de 1 corredor.... Se ela me traiu ou não tem a ver com a índole dela e não com a minha. Eu segui em frente, não sinto nada por ela, mas a depressão e a tristeza parecem não ter fim. Já era grande durante o relacionamento. Sozinho, sem ter com quem contar (é difícil conversar sobre isso com as pessoas) tem piorado muito.
hoje me encontro aqui, sem forças pra conhecer pessoas novas, sem forças pra por fim ao meu sofrimento, sem forças pra acreditar no setembro amarelo de pessoas falsas, sem forças pra ser eu.
Desculpem o texto grande, muita coisa ficou de fora pois acho que o texto já está cansativo, mas o problema é que eu estou cansado tbm. De remédio, de lagrimas, de tristeza...
E me sinto pior por ter superado o mundo, alcançado o sonho de muita gente com emprego bom, falar outra língua, ter casa própria, moto...
Me sinto mesquinho por não dar valor a nada disso depois de tudo que passei...
submitted by DarkDollynho to desabafos [link] [comments]


2020.09.06 08:25 Astronaut456 Estou Webnamorando....

Eu sempre fui um cara bem social, conversava bem com as pessoas e não tinha medo de conhecer e fazer novas amizades, mas a partir do 1°Ano Escolar eu acabei me sentindo mais entediado, algo que pretendo desabafar também outra hora. Mas como tava falando sempre fui muito social, mas partir de um tempo fiquei mais antissocial não entendo como fiquei assim do nada, mas parei de falar um pouco com meus amigos e fiquei mais na minha, e depois voltei a falar mais com eles, só que no começo da quarentena conheci uma garota partir de um post em um grupo de Animes e tal, e nos dois acabamos se dando muito bem, achávamos que a gente era da mesma cidade, mas no final eu sou do Sul e ela de SP e isso me deixou mal pq estava gostando dela e ela de mim, um dia pedi o whatsapp dela e conversamos muito até eu chamar de brincadeira ela de Webnamorada, e ela falou que nunca tinha pedido ela em namoro, então eu pedi....e ela aceitou e fiquei feliz, nós dois por chamada falando que a gente se ama e tal, ela terminou a escola e eu estou no último ano, pretendo ir até ela e assim a gente ficar junto, até fizemos planos pra morarmos juntos e não me importo até pq eu planejava antes ir pra SP depois de terminar a escola, não quero continuar morando com os meus pais e quero sair de casa bem cedo..., só que me sinto mal por não poder ter ela comigo e triste, e ela sente isso também eu acho, eu nunca tive um relacionamento assim, sempre falei pra ela que Webnamoro não era algo que eu achava legal e nem me imaginava fazendo TIPO NUNCA, eu acho até meio chato e triste por um ponto, mas eu amo ela e ela me ama, então tentamos fazer isso rolar, ela até planejava ir pra Pelotas pra tentar uma faculdade e eu falei que iria junto com ela pra não ficar sozinha e ela gostou da idéia, mas ainda me pego triste, pq eu odeio estar longe dela e acho péssimo as vezes ter a companhia dela só pela tela de um telefone ou PC....
submitted by Astronaut456 to desabafos [link] [comments]


2020.09.05 22:51 kadu_orestes Ninguém aguenta mais o momento q estamos vivendo

Ultimamente os adolescentes q eu conheço só falam q eles não sabem oq querem da vida, nem eu sei ainda, mas a maioria dos adultos age como se nós tivéssemos a idade deles, mas nós ainda somos tão jovens p decidir oq fazer durante os próximos anos, qual faculdade entrar? Qual curso fazer? Será q eu estudando o suficiente? isso tudo está me matando...
Com esse lance da pandemia eu não tenho mais contato com 90% dos meus amigos, eles sempre foram muito presentes e extramamente importante p meu desenvolvimento, mas todos estamos passando por problemas familiares e de estudo, eu sei q muitos não estão bem por isso não conversam tanto quanto antes, mas eu sinto falta de rir com as pessoas q eu gosto, fazer as merdas q a gente sempre fazia. Eu sinto falta de conhecer pessoas novas e me apaixonar a cada semana kkkkkkk.
Eu sei q isso tudo vai passar, mas essa situação q nós estamos vivendo, é muito difícil passar por isso sem ficar com inúmeros problemas e traumas, meus amigos mais próximos não conversam mais tanto comigo, e eu sinto q talvez a nossa relação nunca mais seja a msm q era antes, talvez pq nós crescemos e fomos por caminhos diferentes na vida.
Eu falei sobre alguns assuntos q eu estou pensando muito ultimamente
submitted by kadu_orestes to desabafos [link] [comments]


2020.09.05 10:35 Ve_ss A cada dia eu me sinto mais um fantasma

No início de todo esse caos,eu realmente não tentei manter muito contato com as pessoa de forma online(eu sinto como se eu estivesse incomodando as pessoas chamando elas),mas agora,é como se eu não existisse ou pudesse ser descartado.As últimas conversas que eu tive com os meus amigos se resumem em dúvidas com algo que eu conheça ou alguma conversa que a pessoa inicia e perde o interesse em 10 minutos.Algumas horas atrás tentei puxar papo com um amigo por estar frustrado, mas desisti depois de receber duas respostas curtas e secas.
Esse ano ia ser o meu primeiro na faculdade e eu esperava pelo menos conhecer pessoas novas,mas nem isso eu consegui, já que tudo parou uma semana depois do início das aulas.Só conheci 3 colegas por causa de um trabalho em grupo e é como se eles nem me conhecessem depois que apresentamos o trabalho em EAD.
Eu tentei usar diversas vezes o discord para conversar, mas eu sempre me sentia desconfortável em tentar entrar em uma conversa e interagir.A timidez que eu tenho pessoalmente, se torna 10x pior no ambiente online.
Isso era algo que eu queria escrever faz tempo,mas acho que a frustração de ter ido mal em um teste de cálculo e não ter ninguém pra desabafar em como isso já estragou meu final de semana foi o que faltava.
Bom, obrigado se você teve a paciência de ler.
submitted by Ve_ss to desabafos [link] [comments]


2020.08.26 15:52 Sylphez [Sério] Conhecer pessoas hoje em dia

Olá, malta!
Ultimamente tenho passado um mau bocado e acho que me faz falta conhecer pessoas novas. Tenho pouquíssimos amigos e são todos de círculos diferentes, inclusive foram trabalhar para o estrangeiro. Como não gosto de beber nem andar em discotecas, e acabo por me focar (talvez demasiado) no estudo, as únicas pessoas que vou conhecendo são as da escola/faculdade. Agora que estava de olho num workshop que me parecia divertido e uma boa oportunidade para fazer algumas amizades, o mesmo foi cancelado (por razões óbvias), juntamente com vários outros eventos que me pareciam bons para esse efeito. Acho que até o facto de parte das aulas ser por videoconferência dificultará um pouco a tarefa de me aproximar de pessoas na faculdade.
Na verdade, também não sou grande coisa a socializar, sou tímida e só passado bastante tempo me sinto confortável com as pessoas, o que é capaz de ser um obstáculo.
Enfim, isto para perguntar se alguém tem sugestões de locais ou atividades para uma rapariga de 19 anos da zona de Lisboa/Setúbal conhecer pessoas novas na situação atual.
Edit: Socorro, não esperava tanta interação. Vou tentar responder aos comentários e mensagens pouco a pouco mas obrigada a todos!
submitted by Sylphez to portugal [link] [comments]


2020.08.26 10:04 marvinpls as vezes cansa demais ter apenas um grupo de amigos

não, não é pelo motivo de serem meus únicos amigos. falarei sobre um conjunto de problemas que parecem uma bola de neve invisível.
hoje tive uma discussão com um amigo, esse amigo que entrou no nosso grupo há 2 ou 3 meses mais ou menos. ele é uma pessoa muito legal, mas menos quando toca em qualquer assunto sobre política.
ele se altera, grita, e não liga se você não está gostando. parte disso é por ele ser meio debochado, irônico, sarcástico e piadista fora de hora, mas o jeito como ele se comporta não é impactante no bem estar do grupo pois ele é uma pessoa muito de boa nas outras vezes e é bem participativo, só esse detalhe que é chatinho mesmo.
no meio dessa discussão sobre política surgiu muita coisa (que foi a menor das coisas). fofocas sobre ex membros que fizeram merda e pararam de falar com a gente, problemas deles mesmos com outros membros (não era só ele na chamada), e por aí vai. tudo bem, fofocar é legal e alguns assuntos até são "éticos", mas isso dá liberdade que falemos sobre coisas que não temos certeza sobre outras pessoas apenas porque estamos em bando, por estarmos supondo sobre coisas duvidosas de membros com pessoas que tem disposição à concordar conosco (as outras pessoas da call).
darei exemplos.
um amigo nosso fez merda, vacilou com apenas 1 membro do grupo. esse ficou sentido, mas esse amigo que fez merda não pediu desculpas e ficou ausente do grupo por conta do climão. ele não fez nada tão grave na real, mas para a pessoa em específico ela se sentira ofendida e por fim ele devia uma leve desculpas. o resto ainda gosta e fala com ele, mas essa pessoa que não recebeu as desculpas não. odeia ele, por um motivo bobo na real pois o que motivou a briguinha entre os dois foi algo bobo.
como estávamos em grupo, apenas observei que muitas pessoas começavam a especular sobre a vida particular dele, o que achei bastante intrusivo. faziam fofocas sobre o namoro dele, sobre o jeito dele, tudo porque não gostavam dele! óbvio que essa indiferença foi motivada por ele ter feito besteira, mas será que isso dava direito de falar sobre coisas extremamente pessoais da vida dele? claro que não.
acho o comportamento infantil, e também acho muita gente sendo infantil quanto à esse caso, o que denota uma imaturidade de muita gente daquele grupo, que é maioria.
pessoas que não tem expectativas de vida, tem uma idade semelhante à minha, e tem uma vida confortável em casa com seu computador, mas são bons amigos e convivo com eles desde o ensino médio (hoje tenho 22 anos). são pessoas relaxadas, mas são boas pessoas.
por fim... de verdade, são ótimos amigos, mas essa parte da maturidade me fere bastante. quando serei alvo de algo semelhante caso eu faça algo que eles não concordem? por falar algo ou suporem errado sobre minha vida em particular e coisa assim. eu não quero isso, e me sinto desconfortável só de pensar sobre a possibilidade.
é muito ruim ter apenas um grupo de amigos que você compartilha muitas e muitas coisas o tempo todo há muitos anos, principalmente quando não são pessoas lá muito maduras.
queria muito conhecer pessoas novas, mas não sei como e nem por onde. nunca dei certo na faculdade pra fazer amigos, e sei lá quando vou conseguir outros. parece que é difícil conseguir um novo grupo de amigos hoje em dia.
submitted by marvinpls to desabafos [link] [comments]


2020.08.24 15:02 LeastFudge9 Se querem uma dica, procurem saber o que buscam em relacionamentos antes de sofrerem por não estarem em um (ou de efetivamente entrarem em um)

Vejo muitos posts de "nunca namorei" por aqui, entendo cada um de vocês e digo que me vejo um pouco nesses posts também. Talvez meu post ajude. Isso aqui vai ser longo.
Sou homem, hétero e tenho quase 25 anos. Até os 22, nunca tinha namorado, nem transado, e entre essa idade e meu primeiro beijo (aos 11 anos de idade), eu havia beijado quatro garotas, uma delas talvez eu não devesse contar, pois foi uma amiga de minha mãe bem mais velha que praticamente me forçou a fazer isso quando eu tinha 14 anos. Mas ok, contemos quatro garotas dos 11 aos 22 anos. Isso me deixava triste nos mesmos moldes que vejo aqui em muitos posts.
No dia do meu aniversário de 22 anos, uma conhecida 16 anos mais velha avançou nas investidas por WhatsApp e me enviou nudes. A partir de então, foi tudo muito rápido, tive minha primeira vez com ela e foi fantástico. Ela estava em um processo de divórcio iniciado havia menos de um mês e tinha um filho de oito anos. Daí começa meu inferno.
Ela era uma mulher muito inteligente, bonita e, para me convencer a iniciar um namoro, praticou o famoso "love bomb", eu me sentia o cara mais foda do mundo, ela inflava minha autoestima de uma forma que ninguém jamais havia feito. Iniciamos um relacionamento sério e entrei no fogo cruzado de uma guerra que envolvia minha então namorada, o filho único dela de oito anos de idade e um ex marido extremamente agressivo e descontrolado.
Cheguei a receber ameaça por WhatsApp do tal ex, o filho dela levava recadinhos velados do pai pra mim, me ligava quando estava com os coleguinhas e me xingava das piores coisas e dos piores nomes possíveis (palavras que uma criança da idade dele não devia saber). Tudo isso enquanto frequentemente o garoto chegava da casa do pai quebrando a casa e gritando, eu acho que isso de esperar o inferno toda vez que ele ia pra casa do pai provavelmente foi o que me fez desenvolver um grau de ansiedade. E como já deve ter sido possível perceber, rapidamente eu ficava mais na casa da minha então namorada que na minha própria casa, por livre espontânea pressão.
Como se não bastasse, minha então namorada era extremamente controladora. Com o tempo, eu não podia mais conversar com outras mulheres, ela gritava comigo e quebrava a casa quando estava - nas palavras dela - "surtada". Pra ajudar a ilustrar, lembro-me que uma vez bocejei enquanto estávamos em um restaurante (EU organizei a ida, foi meu presente de dia dos namorados) e ela começou a brigar, perguntando se eu não queria estar ali (e então passei a ter receio de bocejar perto dela - e eu bocejava bastante, porque trabalhava e fazia faculdade).
Houve também uma situação em que recebi uma proposta profissional que significaria passar quatro meses em outro país. Ela surtou, passei uma noite em claro com ela gritando, quebrando a casa, tentando me expulsar de lá (como eu iria embora com a mulher naquela situação?). Enfim, foi um inferno, nem gosto de lembrar. Acabou que eu neguei a proposta profissional, ao mesmo tempo em que ela saiu falando para meus amigos (que viraram amigos dela também) sobre como ela, apesar de triste com a distância, achava uma oportunidade e um projeto muito importantes. E também encontrou meios de me manipular ao ponto de eu ficar na dúvida sobre por que eu tinha negado a proposta. Recentemente, depois de mais de um ano de terminados, ela disse pra uma prima minha sobre essa história e confessou que "fez de tudo que foi possível" para que eu não fosse. Me senti um idiota.
O cúmulo, na verdade, foi quando minha família alugou um sítio para comemorar o aniversário da minha irmã mais nova, a festa consistia em as pessoas mais chegadas ficarem um fim de semana inteiro neste sítio. Nessa época, minha ex já tinha desenvolvido uma posse sobre mim que incluía ter uma espécie de ciúme do tempo que eu dedicava à minha família (que já era quase zero). Justamente por isso, percebi que minha ex estava resistente a ir para este sítio, optei por fingir que não tinha percebido. No dia de ir pro sítio, como eu já suspeitava, ela estava em surto e passou a manhã inteira deitada. O filho dela estava ansioso pra ir, pois tinha piscina e outras crianças, então resolvi que iríamos eu e ele, disse isso pra minha ex e falei pra ela me ligar assim que quisesse ir, que eu a buscaria. O sítio ficava a uma hora de carro.
Vou resumir o que aconteceu, embora para passar o meu terror eu devesse contar detalhadamente. Basicamente, para fazer-me sentir-me culpado por ter ido sem ela, ela resolveu colocar fogo em umas toalhas (muitas!) no chão do banheiro, a ideia - isso tudo eu só concluí passados meses - era criar uma cena de horroincêndio pra quando eu chegasse. O que ela não calculou é que o álcool evapora rápido, então ela queimou o rosto, parte do cabelo, o pescoço, parte dos seios e da barriga. Ela me ligou em pânico e eu corri de carro tarde da noite em uma estrada deserta. Daí em diante nossos dias foram de hospitais (eu fiquei nos hospitais o tempo todo) e cirurgias plásticas. Ela não ficou com nenhuma sequela física. Depois que a ajudei com as queimaduras (em casa, eu fazia os curativos) e cicatrizes temporárias, terminamos (e no dia seguinte ao término ela bateu o carro e, pela forma como foi, parece ter sido proposital). Mas, enfim, consegui sair desse relacionamento abusivo depois de quase dois anos. Esse textão que escrevi é só uma porcentagem do que passei.
Menos de um mês após esse término, retomei contato com uma amiga (e paixonite platônica) de adolescência, acabou que ficamos e veio outro "love bomb". Caí nessa de novo pra depois de dois meses ela me tratar feito lixo, me dar respostas mal educadas, me ignorar e perder a paciência por coisas banais. Essa noite tive um pesadelo com o desdém dessa última ex (faz nove meses que terminamos) e acordei mal, por isso vim aqui desabafar. Felizmente, esse outro relacionamento não durou mais que quatro meses.
Hoje, olhando pra trás, percebo que caí nessas porque tenho uma carência advinda de um abandono afetivo na infância/adolescência, fruto de situações com meus pais. Ou seja, eu estive buscando suprir com relacionamentos uma carência paternal/maternal, então virei alvo fácil para pessoas complicadas ("love bomb" e visões idealizadas e fantasiosas de relacionamentos me fisgaram fácil). Eu estou bem atualmente e bastante feliz com vários projetos pessoais e profissionais, talvez esteja na melhor fase da minha vida nestes termos. No entanto, estou quebrado para relacionamentos e sei que precisarei de terapia para superar a resistência que adquiri com os traumas que relatei. A conclusão é: procure conhecer a si próprio e reflita bastante sobre porque não estar em relacionamentos lhe afeta, pois você pode estar tentando tapar um buraco que na verdade lhe fará ser presa fácil. Esteja em um relacionamento por ter descoberto alguém que te leve para frente, não somente por estar. Inclusive, não faz sentido estar em um relacionamento apenas porque você quer estar em um relacionamento. Não sei se estou sendo claro.
É isso, obrigado.
submitted by LeastFudge9 to desabafos [link] [comments]


2020.08.06 06:08 denesfernando Sou Babaca Por Querer Que O Namorado Da Minha Amiga Não Passe Mais A Quarentena Aqui E Volte Pra Casa Dele?

Olá Luba, editores, gatas e Turma. Essa história que vou compartilhar aqui é recente, ainda estou tratando em terapia, mas ela começa um pouquinho lá atrás.
Um ""pouco"" de background para situar a todos de onde tudo isso começou.
Em 2013 comecei namorar um cara que vou chamar de Karen, por ele ser muito, mas muito CUSÃO (inclusive, ele se parece muito com você Luba e por vocês serem tão idênticos, eu passei um bom tempo sem assistir o canal, pois não conseguia te ver sem lembrar dele). Mas, enfim, em 2015 ele e o grupo da faculdade dele decidiram morar todos juntos em uma casa perto da faculdade, pois estava exaustivo para todos trabalharem em pontos distintos da cidade (São Paulo, para se alguém quiser se situar).
Então, em janeiro de 2016, eles se mudaram e eu ia para lá aos fins de semana, até que acabei me mudando para a casa em Junho do mesmo ano, no dia do meu aniversário.
Pois bem, foi uma fase horrível da minha vida por causa do meu ex, terminamos em maio de 2017 e tive que sair da casa. Esse meu ex era um abusador, um aproveitador, a pior pessoa que eu poderia ter conhecido na minha vida. Os abusos psicológicos que ele cometeu comigo, afetaram totalmente minha confiança e em como eu viria a me relacionar com outros caras, fora as crises de ansiedade que eu arrasto até hoje.
Mas então, eu fiquei amigo dos amigos dele da faculdade e em especial da Karls que virou minha melhor amiga.
Em 2017 eles terminaram a faculdade e em 2018 o contrato da casa venceu e eles finalmente poderiam se mudar, áquela altura ninguém suportava mais olhar pra cara do Karen.
Então, foi nesse momento, que a Karls e o Akarls me chamaram para vir morar com eles numa nova casa. Sem o Karen. E hoje nós três vivemos como uma família feliz com os nossos pets.
2019
Eu conheci um cara, eu vou chamar ele de Lars.
Lars e eu começamos a trocar mensagens, se conhecer, nos aproximarmos. Até então, antes dele, todos os outros caras que eu acabei ficando, não davam certo, (tem muito gay problemático nessa cidade). Mas Lars foi diferente, conforme nos conhecíamos, ele ia transpondo todas as muralhas que eu usava como defesa, pois meu maior medo seria voltar para um relacionamento abusivo, tóxico e doentio.
Com o Lars eu fui bem devagar, realmente queria conhecer ele, pra ver se o que eu estava sentindo era o certo e se ele não iria me fazer mal.
Nesse tempo conhecendo ele, eu desabafava com Karls todas as minhas inseguranças, pois ela tinha vivido todo o meu drama com o meu ex, ela sabia dos meus medos, receios, inseguranças em me relacionar com alguém e ela me dava todo o apoio, pra poder voltar a acreditar e saber que nem todo mundo é igual o Karen, que na verdade eu dei azar com o Karen, mas que não seria assim de novo.
Depois de tantos embates sobre minhas agruras eu acabei me desarmando e me permiti começar algo com o Lars.
Um mês e meio depois, finalmente decidi trazer ele em casa, para conhecer meus amigos e 😏.
Então, foi nesse fim de semana de novembro de 2019 que coisas aconteceram.
Depois de ficarmos, acabei aceitando os meus sentimentos por ele, pensei que depois de tanto tempo solteiro, passando por aventuras fracassadas com pessoas que não se encaixavam, onde a química só proporcionava uma reação inicial. Ali estava talvez o momento de poder compartilhar momentos com alguém.
Mas aquele início de sonho desmoronou muito rápido. No domingo quando ele estava pra sair para trabalhar, Lars me contou que iria para o Beto Carrero com um amigo. Fui pego de surpresa, pois ele não havia mencionado nada nas nossas conversas durante a semana.
Na época, Lars trabalhava como bartender numa cafeteria e reclamava de trabalhar muito, não ter finais de semana livres e só folgar nas segundas-feiras.
Como não tínhamos oficializado nada, nossa primeira vez foi na noite anterior e o fato de estar disposto a querer começar a construir uma relação tinha sido algo que eu havia arrazoado no meu coração, achei absurdo demais eu questionar porque ele não tinha me falado nada antes.
Tudo bem, ele iria no Beto Carrero com um amigo, logo após sair da cafeteria. Pegaria o ônibus na estação do Tietê no domingo a noite, passaria o dia no parque, já que a folga seria na segunda, e na segunda a noite ele voltaria e iria trabalhar na terça-feira de manhã. Eu, pelo menos, imaginei que seria assim.
Na segunda-feira, eu fui trabalhar normal, vi as fotos dele no Beto Carrero, os stories no Instagram aparentemente nada de estranho, mas a primeira coisa que me chamou a atenção foi o fato dele não ter postado um único story com o amigo, mas até aí, se eu encucasse com isso, seria uma atitude tóxica e eu não queria isso. Numa relação deve existir confiança.
Nós não nos falamos o dia inteiro, pois eu não iria ficar o importunando num passeio como aquele, que ele aproveitasse o máximo possível. Foi quando às 18:00 eu resolvi mandar uma mensagem para ele, já que eu estava saindo do trabalho.
A mensagem era mandando um "oi" e desejando que ele tivesse se divertido bastante e fizesse uma viagem tranquila de volta.
Foi quando ele me respondeu que não voltaria aquela noite, que ele iria para Balneário Camboriú com o amigo passear de barco. Eu fiquei completamente sem reação, foi um choque. Ele só reclamava de como o trabalho explorava ele, não era flexível e do nada, de uma viagem totalmente espontânea que aconteceu aleatoriamente pra aproveitar um dia de folga num bate e volta, surgiu uma folga no dia seguinte.
Eu não tive como não ser arrastado de volta para os tempos do Karen, onde eu fui trouxa por anos, onde ele matava aula pra transar na escada da faculdade, dizia que ficava até mais tarde no serviço pra não pegar trânsito, mas na verdade ia para dates furtivos de apps de pegação (inclusive tenho uma história ótima com relação a isso da época do Karen), enfim, meu cérebro e meu coração ligaram o sinal vermelho, as sirenes começaram a zunir no meu ouvido, a última coisa que eu queria era ser enganado como fui na minha última relação.
Voltando, Lars não falou mais nada depois disso, fui pra casa naquele dia. Na terça-feira de manhã, outro sinal de alerta, não tinha nenhuma mensagem no celular. Isso poderia ser irrelevante, se a gente não tivesse passado o último mês e meio, trocando várias mensagens e memes da hora que acordava até a hora de dormir. Me senti mal, a conversa tinha morrido da noite para o dia, fiquei angustiado, pois eu estava começando a gostar dele e aquilo mudou da noite para o dia.
Terça-feira se foi, ele em Balneário Camboriú, fotos e stories no Instagram se seguiram e nada desse amigo misterioso.
Finalmente, a noite ele estava voltando e mandou uma mensagem dizendo que estava exausto, mas estava voltando. Nesse momento, minha mente já tinha formulado mil e uma histórias, mas resolvi ser prudente, apesar da angustia que estava sentindo.
Foi difícil dormir aquela noite, na manhã seguinte, ele mandou uma mensagem dizendo que havia chegado, estava exausto, mas estava indo trabalhar.
Nossa conversa, já não era a mesma, algo tinha mudado, as palavras ou a ausência delas são um termômetro para o coração, escrever para outra pessoa é um ato de conexão e o nosso elo havia se rompido.
Foi quando resolvi confrontá-lo.
Segue abaixo a conversa no whatsapp:
[28/11 11:56] Denes: Desculpa, Lars.
[28/11 11:56] Denes: Eu não sei de fato o que aconteceu
[28/11 11:56] Lars: Pelo o que ?
[28/11 11:56] Denes: mas desde terça que eu sinto que nossa conversa morreu
[28/11 11:56] Lars: :(
[28/11 11:56] Lars: Eu que peço desculpas
[28/11 11:57] Denes: se vc puder me dar uma luz
[28/11 11:57] Lars: Questão de conversa tbm não sei ... :(
[28/11 11:58] Lars: Não quero ser cuzao contigo
[28/11 11:58] Denes: me diz o que tá acontecendo
[28/11 11:59] Lars: Gosto olhando no olho
[28/11 11:59] Lars: Gosto de vc
[28/11 11:59] Denes: talvez não haja olho no olho se eu não entender o que está acontecendo
[28/11 12:00] Denes: eu tb descobri que estou gostando de vc
[28/11 12:00] Denes: descobri de uma maneira bem ruim
[28/11 12:00] Denes: só quero que vc me diga
[28/11 12:00] Denes: sem medo
[28/11 12:02] Lars: Eu recebi uma ligação de alguém antes de viajar que me deixou balanceado
[28/11 12:02] Denes: prossiga
[28/11 12:02] Lars: Não gosto da ideia por aqui
[28/11 12:03] Lars: Mas tá bom ...
[28/11 12:03] Denes: por favor, agora que começou, não pare
[28/11 12:03] Lars: Pouco antes de conhecer vc eu tinha acabado um relacionamento ...
[28/11 12:03] Denes: hum
[28/11 12:04] Lars: E tipo ainda algo que me deixa balançado e tal ...
[28/11 12:05] Denes: entendi
[28/11 12:05] Denes: ah...
[28/11 12:05] Lars: E tipo não quero mentir pra vc
[28/11 12:05] Lars: Nem ser um cuzao contigo me entende
[28/11 12:05] Lars: Quero ser sincero sempre
[28/11 12:05] Lars: Não só com vc mas comigo mesmo
[28/11 12:06] Denes: então, o livro de Harry Potter que está com vc, foi um presente de um amigo meu que faleceu esse ano, será que posso pegar com vc na catraca amanhã da Santos Imigrantes
[28/11 12:06] Lars: Sim ... Claro ... Mas queria conversar mais com vc pessoalmente
[28/11 12:06] Lars: Se não se importar
[28/11 12:07] Lars: Tenho um presente pra vc
[28/11 12:07] Denes: eu vou me importar
[28/11 12:07] Denes: por favor, sem presentes
[28/11 12:07] Lars: Tudo bem :(
[28/11 12:09] Denes: amanhã as 8:30 te encontro na Catraca
[28/11 12:09] Lars: :( eu lhe entendo sabe ... Mas confesso que gosto de vc e queria que vc permanecesse na minha vida independente de qualquer coisa
[28/11 12:09] Denes: não será possível
[28/11 12:09] Lars: Tudo bem eu entendo vc ... :(
[28/11 12:09] Lars: Me desculpa
[28/11 12:10] Denes: te encontro amanhã na catraca sem falta
[28/11 12:21] Lars: Hj vc sai que horas do trabalho?
[28/11 12:24] Denes: Desculpa, Lars. Mas eu só pretendo te encontrar para pegar o meu livro. Não, temos nada para conversar. Você não me deve satisfações, justificativas ou esclarecimentos. Apenas o meu respeito. Mas, mesmo assim. Esse ponto final precisa ser colocado.
[28/11 12:25] Lars: Tudo bem eu entendo e respeito vc ... Falei de hj pq posso te entregar hj o livro
[28/11 12:25] Lars: Ele está comigo aqui no trabalho
[28/11 12:26] Denes: Eu saio às 18:00
[28/11 12:26] Lars: Posso te entregar hj o mesmo horário ... Na estação melhor pra vc
[28/11 12:27] Denes: Que horas na Santos Imigrantes vc vai passar por lá?
[28/11 12:27] Lars: Umas 19h a 19:30
[28/11 12:28] Lars: Mas espero a sua hora
[28/11 12:28] Denes: Okay, as 19:00 estarei lá
[28/11 12:28] Denes: Se chegar antes estarei sentado em algum dos bancos da plataforma
[28/11 12:29] Lars: Tá bom
[28/11 12:29] Lars: Sei o que vc vai falar ... Mas desculpas :(
Quando ele falou dessa ligação do ex e ficou balançado, eu senti uma enxurrada de sentimentos negativos, o tsunami de chorume que eram as mentiras do Karen voltando a tona. Todas as desculpas esfarrapadas, parecia que eu estava vivendo tudo outra vez.
Eu estava cego, na gana de não querer cometer os mesmos erros do passado, acabei sendo seco, duro e intolerante, condenando um pelos erros de outro.
Eu já tinha sentenciado dentro de mim que aquela viagem foi algo que ele tinha programado com o ex e que tinha ido com ele e que eles tinham se acertado e que ele queria me manter como step se nada desse certo. Enfim…
Nesse mesmo dia, fui buscar o meu livro (um fato curioso, esse livro que foi presente de um amigo que veio a falecer em 2019, foi um presente pra me lembrar o quanto eu sou uma pessoa corajosa, era a edição de 20 anos da Pedra Filosofal nas cores da Grifinória e dentro ele escreveu a famosa frase da Luna "As coisas que perdemos sempre acabam voltando para nós. Mas nem sempre na forma em que pensamos." https://imgur.com/a/ebJFd2U
Ironicamente, quando paro pra olhar isso em particular, penso na grande ironia de tudo.
Eu cheguei antes na estação, fiquei esperando, sentado num banco na plataforma, vendo vários trens passando, várias pessoas descendo na estação vindo depois de mais um dia de trabalho. A minha ansiedade estava a mil, eu queria chorar, estava angustiado com tudo aquilo, pior, sem entender como "tinha cometido" o mesmo erro outra vez.
Ele chegou uns 15 minutos depois, estava com o livro na mão, eu peguei o livro e então ele me estendeu os braços pedindo um abraço, fiz com ele o que eu devia ter feito com o Karen, olhei para ele com a minha pior cara de desgosto e nojo e falei "Adeus", virei as costas e deixei ele lá.
Hoje, não me orgulho do que eu fiz, sinto vergonha quando penso, mas para que vocês entendam aquele gesto, mesmo ele não sabendo, era algo traumatizante, no término com o Karen, quando coloquei minhas malas e meus livros no táxi, ele chegou até mim e na maior cara de pau, na sua maior interpretação pra burguês ver, ele me pediu um abraço e o trouxa aqui cedeu esse abraço, então ele sussurrou no meu ouvido "Sou eternamente grato por tudo o que a gente viveu e você vai sempre poder contar comigo para o que você precisar" e quando eu precisei o que eu ouvi? "Não tenho obrigação nenhuma de te ajudar."
Quando eu saí da estação, bloqueei o Lars em todas as redes sociais, Facebook, Instagram, Whatsapp e até o número dele pra ele não me mandar SMS ou ligar. Não queria nunca mais ouvir falar dele pelo resto da minha vida.
Alguns dias se passaram e a Karls me contou que Lars havia mandado mensagem para ela no Instagram dizendo que estava preocupado comigo, queria falar comigo e eu irredutível falei que nunca mais queria saber nada a respeito dele.
Então ali eu tinha colocado uma pedra em cima desse assunto, vida que segue.
Dezembro de 2019
Karls é uma garota muito linda, mas em todos esses anos de amizade ela só se envolvia com os piores caras do Tinder, uma fase da vida dela que fazemos piada, mas que se você olhar atentamente, era bem triste.
Ela tinha o sonho de conhecer um cara bacana, compartilhar momentos, viver toda aquela fantasia de namoro, dormir abraçada, assistir anime, cantar músicas da Disney e cozinhar todos os pratos possíveis de todos os programas de culinária que existem no mundo.
Depois de anos, esse cara apareceu. Vamos chamá-lo de Darls.
Darls é um cara super carismático, que faz amizade por onde ele passa, falador, contador de piada, solicito, uma pessoa que todo mundo iria adorar ter como amigo.
JANEIRO 2020
Parecia que Darls sempre esteve nas nossas vidas, Akarls e eu o recebemos de braços abertos, pois víamos o quanto ele fazia Karls feliz.
Logo ele começou me pedir dicas e mais dicas de coisas que fariam a Karls feliz e nesses 5 anos de amizade eu era a pessoa que mais sabia de tudo o que a Karls gostava.
FEVEREIRO 2020
Eles oficializaram o namoro, (meio rápido, mas…), então ela entrou numa tour para conhecer todas os amigos dele, pois ele queria apresentar a namorada para as pessoas importantes na vida dele.
Darls mora a 35km de distância, num bairro distante, 2 horas de viagem no mínimo, mas ele sempre estava vindo passar mais tempo aqui.
MARÇO 2020
Pandemia chegou, isolamento social foi instaurado, pessoas em casa. Eu sou editor de vídeo, então estou trabalhando em casa desde que esse inferno começou. E quem acabou vindo para cá, também? Exatamente, Darls.
A companhia dele era agradável, e por vermos Karls feliz, nada objetamos, aceitamos naturalmente a estadia dele aqui. Mesmo que nunca tenhamos conversado isso entre nós, foi natural olharmos para a felicidade dela.
ABRIL 2020
Um mês de quarentena, eu sou uma pessoa ansiosa. Solteiro que passou da barreira dos 30, já havia sentenciado que não conheceria ninguém e morreria só, pois já estava sem esperança de conhecer alguém em um mundo sem um vírus mortal, imagina em um mundo onde estar perto 2 metros de alguém pode ser sua sentença de morte.
Eu comecei entrar numa crise terrível, comecei trabalhar demais, a fazer 12 horas de trabalho por dia e no meu tempo vago eu comecei a assistir todos os filmes e curtas gays já foram produzidos no mundo. E nisso, fiz a burrada de assistir um filme que superestimei por anos.
Brokeback Mountain.
'O que eu fiz da minha vida?'
Eu fiquei tão mal, mas tão mal, que naquela noite eu fui dormir chorando e os dias que se seguiram eu tive tanto remorso pelo final daquele filme, que certo dia eu comecei chorar na frente da Karls e do Darls enquanto a gente almoçava.
No final de abril, meu tio implorou que eu fosse na casa dele, pois estava tendo um problema entre minha mãe e minha irmã e ele estava preocupado da minha mãe acabar se metendo em um avião e vindo pra São Paulo no meio de uma pandemia. Fui, como se eu já não estivesse colapsando, ainda tinha que resolver o problema de outras pessoas.
Naquela semana, eu assisti um vídeo, tenho 80% de certeza que foi no LubaTV os outros 20% acho que foi no canal do Henry Bugalho, que falava sobre perdão, algo do tipo "se não perdoamos, do que adianta pedirmos desculpas" e eu já estava muito reflexivo.
De noite, eu estava no apartamento do meu tio, quando recebi uma notificação de que alguém tinha me seguido no Twitter.
Abri a notificação e vi que era o Lars me seguindo quase 6 meses depois. Ele não tinha twitter e tinha criado uma conta por causa da quarentena.
Minha primeira reação foi bloquear ele, mas aí bateu aquele turbilhão de coisas acumuladas nessa quarentena. O final de Brokeback Mountain, a fala sobre perdão e um detalhe sobre o Lars que pesou muito, ele tem diabetes, acho que é um tipo raro, ele desenvolveu super novo, ele toma dois tipos de insulina, ele é grupo do risco.
Sentei no sofá e me perguntei, 'o que ele queria depois de todos esses meses? Ele não entendeu o meu "Adeus"?'
Pois, bem. Fui até o Instagram, desbloqueei ele e mandei a seguinte mensagem:
"O que você quer?"
Ele levou uma meia hora pra me responder, o 'digitando…' parecia eterno.
Resumindo, ele falou que se importava muito comigo, que eu marquei a vida dele, que nunca quis se distanciar de mim, que jamais foi a intenção me magoar com o que quer que tenha acontecido e que nunca dei a oportunidade dele se explicar.
E eu respondi, que não importava o que ele tivesse para me dizer, não ia mudar a opinião que eu tinha sobre ele.
Ledo engano, meus caros.
Fui dormir às 4 da manhã, tirei tudo de dentro de mim, tudo o que eu inventei na minha cabeça. Porque no meu relacionamento anterior eu ouvi tantas mentiras, que acabei jurando que qualquer um iria mentir para mim, era o único referencial que eu tinha.
Só para que vocês saibam, era realmente um amigo, as fotos que ele tirou junto com o amigo no Beto Carrero, foram todas no celular do amigo a folga da Terça-feira, o chefe dele estava devendo uma folga para ele e como ele não iria poder tirar essa folga a mais do que as que estavam previstas para Dezembro, o chefe deu a folga pra ele na terça para que ele aproveitasse mais um dia de viagem. E sim, o ex dele ligou, ele ficou balançado, pois eles tinham tido uma história recém terminada, mas ele me contou, primeiro porque eu insisti, mas também porque ele não queria mentir pra mim, já que eu tinha todo esse problema com mentiras, então ele queria ser honesto comigo desde o início e que nunca foi a intenção dele voltar com o ex, tanto que ele não voltou, ele queria estar comigo, e que mesmo tendo passado todo aquele tempo ele nunca tinha me esquecido e não tinha desistido de mim.
Eu falei para ele que não sabia como reagir a tudo aquilo, disse que não sabia se seria capaz de confiar nele. E que ele não tivesse esperança, mas que eu iria refletir sobre tudo aquilo.
Então eu voltei pra casa e compartilhei a história com Karls e Darls.
Karls ficou meio com o pé atrás, mas Darls me apontou os erros que eu cometi, me fez enxergar o quanto eu tinha exagerado pelo medo e desconfiança que eu tinha, que não tinha nada a ver com Lars e minha ficha caiu.
Agora, tudo o que me restava era o meu orgulho, eu precisava passar por cima disso.
Voltei a conversar com Lars, aos poucos, foi difícil no início, mas ele foi muito tolerante, eu expliquei que não estava sendo fácil voltar a conversar com ele, mas que compreendi que muito daquela situação era culpa minha.
Ele começou a me mandar mensagens de manhã e a noite, de bom dia e boa noite e esporadicamente algum meme. Foram duas semanas conversando quando houve a necessidade da gente se ver. Eu não sabia como iria reagir.
Sim, ele viria aqui em casa no meio de uma quarentena, mas antes que cresça os julgamentos, moramos próximo um do outro, ele viria a pé, sem pegar nenhuma condução e num horário de pouco fluxo.
MAIO 2020
Então comuniquei que ele viria aqui em casa para Karls, Akarls e Darls. Aparentemente, achei que todos tinham recebido a notícia de bom grado.
Ele veio, a primeira coisa que ele fez foi ir para o banheiro tomar banho, com Covid não se brinca. Depois, sentamos e conversamos, e mais uma vez, eu falei tudo de novo, dessa vez olhando no olho, colocando tudo a limpo, uma conversa franca, contei de todas as impressões que eu tive de tudo o que aconteceu, como a narrativa se construiu na minha cabeça e porque agi da maneira que agi.
Em contra partida, ele disse que estava tudo bem, disse que ficou muito chateado, mas os amigos dele conversaram com ele dizendo que tinha um motivo para eu agir como eu tinha agido. Ele me falou que nunca me esqueceu e queria ter uma oportunidade de conversar comigo e esclarecer as coisas, pois sabia que tudo tinha sido um grande mal entendido. Ele falou que mandou várias mensagens para a Karls, mas não obteve resposta. E quando ele me mandou o convite no Twitter, ele disse que seria a sua última tentativa de se aproximar de mim, se não desse certo, ele mesmo desistiria de tudo.
Ele passou três dias aqui em casa, eu não me abri tanto com ele com relação a isso, mas eu senti muito remorso por como as coisas aconteceram por minha causa.
Outra coisa, lembra na mensagem, quando ele falou que tinha um presente para me dar e eu falei que não queria? Ele trouxe o presente, ele guardou o presente todo esse tempo e disse que toda vez que via o presente, ele lembrava de tudo o que a gente viveu e a coisa que ele mais queria era me dar esse presente, que ironicamente ele comprou na viagem para o Beto Carrero.
Era um funko do Harry Potter, já que eu amo muito Harry Potter. (Não, não sou transfóbico, eu amo Harry Potter desde 2000). http://imgur.com/gallery/cah0Ry7
Ele voltou pra casa dele. Continuamos a nos falar, reatar laços, ter essa troca.
Compartilhei minhas impressões com Karls e Darls, eu estava relutante, desacreditado. As pessoas subestimam relacionamentos abusivos, mas a gente carrega coisas por anos, os estragos são terríveis, estava eu provavelmente estragando uma oportunidade de ser feliz por medo de ser feliz.
As coisas foram devagar, estávamos conversando de nossas rotinas na quarentena, ele o quanto sentia falta do trabalho e não aguentava mais assistir séries e eu o quanto estava trabalhando e engordando, já que editor de vídeo trabalha em casa, praticamos isolamento social antes disso "estar na moda" (✌️ salve editores do canal, eu juro que tô escrevendo essa história que já passa de 4 mil palavras, pensando se realmente o Luba lerá essa história na Turma-Feira, fico imaginando no trabalhão que vocês vão ter pra editar, se eu puder pedir, posta a Timeline pra eu ver como ficou no final, curto muito timelines [Sim, pra quem não entende, isso é meio creep]).
JUNHO 2020
Lars voltou, veio para estar comigo no meu aniversário, inclusive ele me presenteou com Find Me do André Aciman, ele disse que queria me dar a muito tempo, pois em novembro do ano passado eu estava lendo Call me by your name e eu estava namorando pra comprar o livro quando fosse lançado, mas não deu nem tempo dele poder comprar na época.
No meu aniversário, resolvi cozinhar para comemorar, fazer escondidinho de frango. Eu estava de folga e queria fazer algo especial para Karls, Darls, Akarls e Lars. Eu passei a tarde e começo da noite cozinhando e Lars me ajudando.
Então, aconteceu o estopim de todo o caos.
Karls e Darls desceram e viram que o escondidinho não estava pronta ainda, ela fechou a cara e disse "Nossa, ainda não está pronto?". Depois eles fizeram um sanduíche e comeram e subiram, bastou aquilo pra me entristecer, até entendo que ela poderia estar com fome, mas ela bater porta de armário e a porta da geladeira acabou todo o meu ânimo, me senti super mal.
Comi aquele escondidinho triste, o clima na mesa estava tenso e na boa o que era pra ser uma comemoração no que eu acreditava ser entre família, foi a porcaria de um jantar de aniversário que eu perdi tempo fazendo.
Lars voltou pra casa dele, continuamos nos falando e estreitando os laços, aproveitando a companhia um do outro, e finalmente no meio de toda essa situação de merda que estamos vivendo no planeta, senti uma esperança de que talvez tudo daria certo, pelo menos uma vez.
Mais uma vez, ele veio passar o fim de semana aqui em casa, e foi divertido, assistimos filme, contamos piadas e o melhor, eu estava podendo dormir abraçado com ele, por a cabeça no travesseiro e não me sentir só.
JULHO 2020
O mês do caos, eu odeio Julho, por tantos motivos, sério. Eu tenho inúmeras histórias de desgraças nesse mês que PQP (Gif da Xuxa).
Lars me mandou mensagem dizendo que ele teve uma briga terrível com o sobrinho dele, na briga eles só faltaram sair na porrada, ele falou que estava mal por estar na casa da irmã dele e por toda essa indisposição com o sobrinho que tem 18 anos e é um completo folgado. Ele disse que iria procurar um lugar pra ficar, mas até lá, ele perguntou se poderia ficar aqui até encontrar esse lugar.
E como eu já fui colocado pra fora de casa pelo meu tio e me vi sozinho, eu sei o quanto é importante ter alguém pra estender uma mão amiga nessa hora.
Eu respondi que sim, mas que ia comunicar o Karls e o Akarls. Expliquei a situação Lars e eles falaram que tudo bem.
A Karls começou a fazer um freela permanente em um grande estúdio aqui de SP, então ela já não estava ficando em casa e quando estava, ficava a maior parte do tempo com o Darls, que ficou aqui em casa, mesmo ela trabalhando regularmente, já que as coisas estão flexibilizadas por aqui.
A princípio, Lars ficaria aqui até dia 10, ele tinha acertado de ir morar com um pessoal que ele achou num grupo do Facebook, mas o lugar onde esse pessoal ia morar não deu certo, pelo o que ele me contou, foi lance com a Porto Seguro, ele ficou decepcionado, porque os meninos eram legais. Então, ele voltou para a busca de encontrar um lugar pra ficar, eu inocente disse que ele poderia ficar o tempo que precisasse.
Interiormente, eu queria me redimir por toda a injustiça que foi o nosso início, queria fazer certo dessa vez, pois ele estava sendo bom pra mim e eu nunca tinha tido isso, esse convívio.
Enquanto ele estava aqui, comecei a ter companhia para o almoço, passei a comer direito, já que ele é obrigado a comer certo por causa da diabetes, eu estava até me alimentando nos horários certos. As noites assistíamos séries abraçados, até a hora de dormir. Parecia um oasis no meio de todo esse inferno que estamos vivendo, por um único instante eu esqueci de tudo de ruim.
Nesse período, ele estava procurando vários quartos, mas só encontrava cativeiros sendo alugados por mercenários.
Conforme o mês ia passando, Karls estava bem estressada com tudo e quando estava todo mundo na cozinha, ela parecia evitar querer falar com ele. No início, eu pensei que fosse TPM ou alguma coisa em particular dela com Darls.
Mas eu tive certeza que era alguma coisa com o Lars, no dia que estávamos jantando e ela veio informar que o botijão de gás tinha acabado e ela tinha comprado um novo, mas ela insinuou que estávamos cozinhando demais. Eu fiquei, sem reação, pois não esperava por aquilo, como eu falei, ela e o Darls estavam fazendo todas as receitas que existiam na internet, como que o Lars 10 dia aqui era a causa do botijão ter acabado?
Então aquilo começou a ficar espinhoso e o meu erro foi não ter confrontado. Eu comecei a me sentir acuado com o Lars e não sabia o que fazer, ele já estava numa puta situação frágil por ter saído da casa da irmã por indisposição com o sobrinho e a coisa que eu mais queria era que ele se sentisse confortável na minha própria casa.
No meio de tudo isso, ele voltou a trabalhar e eu passei a acordar cedo junto com ele, pra tomar café e abrir o portão pra ele poder sair, num desses dias, eu levantei e fui no banheiro e enquanto eu usava, a Karls bateu na porta perguntando quem é que estava lá dentro de uma maneira meio ríspida, no caso era eu, mas o Lars viu a situação toda, ele não me falou, mas eu reparei que ele parou de tomar banho de manhã antes do trabalho. Dizia ele que o banho da noite era suficiente.
Depois, ele parou de tomar café da manhã, disse que tomaria café na cafeteria que ele trabalha.
A próxima coisa que aconteceu foi um dia que eu estava na cozinha e fui informado que Karls e Akarls decidiram que não iríamos mais fazer as compras de mercado juntos. E que só manteríamos os produtos de limpeza e higiene e que o resto era cada um por si.
Confesso, que na hora não compreendi o que estava acontecendo, eu estava muito desligado, na verdade não acreditava que os meus amigos estavam me excluindo por causa do Lars, eu estava sendo ingênuo, pois não imaginaria que aquilo estava acontecendo.
No meio desse caos todo, Lars, virou pra mim e disse que a irmã dele pediu que ele fosse na casa dela. Então ele iria direto do trabalho e dormiria lá no sábado para o domingo, já que estaria de folga e voltaria pra cá no domingo a noite.
Só que ele não voltou, ele disse que a irmã dele pediu para que ele dormisse lá mais uma noite. Pensei, okay, ele vem então amanhã direto do trabalho pra cá, mas aí ele não veio na segunda, foi quando o peso de tudo bateu.
A essa altura eu já estava angustiado com tudo aquilo e direcionei minha frustração para o lado errado, em vez de confrontar quem estava causando toda essa situação insatistória, eu cobrei dele, porque ele não estava aqui. Perguntei, porque ele não queria estar mais aqui. Ele falou que queria. Então, eu perguntei porque o domingo, virou segunda e agora a segunda virou terça? Ele hesitou, aí eu perguntei se era por causa da Karls e ele disse que só não queria incomodar ninguém.
Eu fiquei mal, por ele se sentir mais incomodado na minha casa do que na casa da irmã dele com o sobrinho folgado que estava fazendo da vida dele um inferno.
Fiquei desapontado, ele veio na quarta, conversei com ele, disse que iria conversar com a Karls sobre toda essa situação. Mas já era tarde.
Era a última semana de Julho, e antes mesmo que eu pudesse conversar com a Karls, Akarls chegou dizendo que não dava mais para dividirmos a conta de água como estávamos fazendo, por 3, teríamos que dividir por 5, já que a conta ficou mais cara.
Na sexta-feira daquela semana, Lars encontrou um quarto numa casa que ele meio que alugou as pressas e ele se mudaria na primeira segunda de agosto. Quando eu pude confrontar Karls, no sábado, sobre tudo aquilo, já era tarde. Falei que fiquei chateado deles quererem repartir a conta da casa por 5 com o Lars pelo mês que ele passou aqui, mas isso nunca foi nem cogitado nos 5 meses do Darls aqui. Falei que fiquei decepcionado por ela não ser capaz de enxergar a minha felicidade. Por não ser capaz de ver o quanto eu estava feliz, como eu enxerguei a felicidade dela com o Darls e o recebemos de bom grado dentro de casa por causa da felicidade dela. Disse que foi muito cômodo pra ela ter alguém pra poder dormir junto, assistir coisas juntos, ter os momentos a dois e quando eu pude ter o mesmo, ela não olhou para mim com os mesmos olhos.
Enfim, Lars se mudou, tomei esse tempo que poderia estar assistindo uma série com ele para escrever tudo isso. Angustiado e decepcionado. Darls não tem culpa de nada do que está acontecendo, mas agora acho completamente injusto ele estar aqui e o Lars não estar, não sei o que fazer, minha vontade é de falar, "acabou a quarentena para os dois, pode voltar para sua casa". Me sinto injustiçado e triste por alguém que eu amo tanto, não ter sido capaz de enxergar que eu estava feliz. É isso, estou esperando a próxima sessão da minha terapia e Karls e Darls estão lá no quarto dela e eu estou só.
E para finalizar, essa foi minha conversa agora a pouco com o Lars.
Lars https://imgur.com/gallery/PRrxEI6
submitted by denesfernando to TurmaFeira [link] [comments]


2020.08.02 20:13 chef_122 EXPERIMENTANDO COISAS NOVAS

Oi vocês deve já me conhece, sou aquele cara que tem a vida virada pra lua conhecido vulgo playboy, trabalho estudo e faculdade as novinha em todas as festas se derrete quando passa na frente delas, mais não vim aqui pra te falar da minha vida boa, vim compartilhar minha vida experimental coisas que todos um dia vai passar e acabando enfrentando de frente, porque a melhor maneira de se passar por uma experiencia é você provando dela e tirando proveito pra sua vida pessoal, então tudo começou quando meu irmão resolveu namorar uma ex mina que eu ficava, sempre fui um cara solteiro e sem me envolve com ninguém fui levando minha vida tranquilo, quando derrepente me dei conta eu já estava na putaria de novo só que a putaria era nova, a putaria seria comer a mulher do meu irmão kkkkkk, é realmente existe pessoas assim como eu que comeria mesmo até pois todo mundo quer uma cunhada que te trate bem que eleva sua auto estima principalmente quando tu precisa de carinho e ela acaba te dando aquele carinho que precisava, entretanto teve uma certa noite que acabei dando pt dentro do quarto do meu irmão kkkkkk, quando fui ver tava deitado na cama em baixo do lençol só vendo aquele baby doll dela rosa, aquilo foi lindo pra mim pois saberia que teria tudo só pra mim, acabei não me aguentando comecei alisa ela até chega naquela camada de pele que todos esperam, quando derrepente sinto uma mão mexendo na minha eu doidão não pensei duas vezes deixei a mão ali mesmo quando me dei conta a mão empurro a minha e ouvir meu irmão falando o irmão vai dormir ta tarde já, minha cunhada vira com a voz de sono e diz deixa ele dormir ai tem problema não, na hora fingir que tava dormindo quando percebi que ele agarro ela pro lado dele levantei da cama e sai do quarto de maluco dizendo que ia dormir, depois adiante eu percebi que meu irmão tem andado competindo comigo, não sei se ele sabe que a mulher dele gosta de mim, mais eu não vejo problema dela querer se satisfazer cmg é a vida e a vida é bela
submitted by chef_122 to u/chef_122 [link] [comments]


2020.08.01 17:52 Natalia_Richarde2020 O DIA QUE FUI AMEAÇADA DE MORTE PELA EX

oi luba, turma, gatas maravilhosas, papeis assassinados, editores e possível convidado (que quase nunca tem), hoje vou contar minha triste historia de como fui corna e traída por amigos. bom luba essa é a minha primeira vez participando e espero muito que goste da historia.
ps: estou repostando, pq a anterior tinha alguns detalhes faltando e alguns erros de português ( me perdoe se ainda conter alguns), mas sem delongas vamos a historia.
Eu tinha uma amiga e a gente era bem próximas no período do ginásio e aí quando fomos para o 1° ano do colégio (2015) foi quando eu conheci um menino e a gente sempre foi próximos e por mais que ele trocava de turno na escola (por conta de trabalho),mas isso não interferia nossa amizade e nessa época ele começou a namorar essa amiga minha e cara eu shippava eles pra caralho e sempre apoiava e tudo mais, mas quando foi no 3°ano do colégio (2017) eu e esse meu "amigo" ("amigo" pq eu considerava ele mais um irmão) a gente caiu na mesma sala e aí ele sempre me pedia conselhos sobre o namoro pq segundo o que ele me contava, ela era muito infantil no namoro e tinha ciúmes demais e ainda tinha ciúmes de mim e tipo sempre dei conselhos para ele conversar com ela e assim se resolverem e essa amiga minha em vez de chegar em mim e perguntar as coisas para mim, ela simplesmente mandava outras pessoas perguntar sobre minha relação com o namorado dela e bom sempre fui sincera e sempre falei que considerava ele como meu irmão e que eu e ele não tínhamos nada. Mas ela sempre vinha com as criancices e tudo mais e depois dele passar o ano todo nesse chove não molha ele pediu mais conselhos para mim sobre e eu já tinha dado vários conselhos e o namoro deles não melhorava e o mais sensato quando isso acontece é o término (principalmente quando o diálogo não funciona mais) e aí eu falei para ele que se não tinha jeito que ele terminasse com ela, pq eu não queria o meu irmão sofrendo e assim ele fez e nisso começou o inferno, pois, ele começou a ficar com uma outra amiga nossa e ela começou a xingar eu e essa menina para o colégio todo e sempre quando alguém ia tirar satisfação, bom se fingia de que não tava fazendo nada e que os outros queria envenenar ela para nó,s blz os dias foram passando e aí eu e ele começou a ficar mais próximos, pois a gente cantava no mesmo ministério e aí a gente acabou começando a ficar serio e após 1 mês e começamos a namorar e aí a ex dele veio de mimimi para o meu lado sobre ele e dizia que ele amava ela ainda e aí eu contei que a gente tava namorando e tudo mais e que ele já tinha esquecido ela e que era pra ela seguir a vida dela(maldita hora que fui falar isso) essa menina começou a nos perseguir e nesse meio tempo conheci uma menina (meu namorado que apresentou ela)e ela se tornou uma irmã e ela sempre me ajudava em tudo ( guarde essa "melhor amiga/irmã", pois ela é importante), bom essa ex dele começou a nós perseguir e me atormentar e vindo conversar comigo no whatsapp (na maioria das conversas era nós duas brigando) e vinha postando indiretas para mim (e eu como uma boa pessoa retribuía as indiretas, com outras indiretas) e nessa época eu trabalhava e meu namorado sempre ia lá e passava um tempinho lá para me ver, mas teve um dia que ela viu ele lá e foi lá e sentou do lado dele e começou a me provocar tirando fotos dele e postando com legendas fofas e logo depois ela foi na mulher que cuidava do caixa e era amiga dela (essa mulher era bem próxima minha, era quase uma mãe no trabalho, foi ela que me ensinou tudo e me ajudou com tudo sempre, ou seja ela sabia da historia e ela iria me defender e me contar) e essa garota começou a falar que eu tava atrapalhando o namoro dela com ele e falando outras coisas além disso e tentando me envenenar para ela e meio que querendo que eu perdesse meu emprego, mas essa mulher já sabia da verdade e apenas acalmou ela e falou que se ela namorasse ela o pq de quando ele caiu de moto eu que estava lá do lado dele no hospital e não ela e quem cuidou dele foi eu e não ela e outras coisas e nisso ela saiu e a mulher veio conversar comigo e falar o que ela tinha falado e nisso eu comecei a chorar e tudo mais, pois meu psicológico tava totalmente abalado e estava totalmente frustada com tudo ( e também tinha medo dessa menina fazer eu perder meu emprego, pois era meu refugio aquele trabalho e por mais que era difícil lidar com as pessoas, aquele trabalho me fazia esquecer dos problemas em casa e no pessoal) e aí passou um tempo e ela ainda estava atormentando e um certo dia ela veio falar para ele que tava grávida dele (pois eles tinha feito fuc fuc 1 mês antes da gente começar a namorar ou seja, quando a gente estava ficando serio) e aí ele veio até mim e me contou tudo e eu perdoei ele e aceitei ele mesmo tendo um filho com ela e que estaria aqui para ajudar ambos no que precisar e umas horas mais tarde ela apareceu e começou a forçar ele a terminar comigo e ele falava que não ia terminar e ela ficava insistindo e aí eu perdi a cabeça e comecei a discutir com ela no meio da praça e todos olhando (puta vergonha que passei), mas aí como eu vi que ele não estava bem parei de discutir e ele foi conversar com ela e até que conseguiu fazer ela ir em bora e ai ele decidiu não assumir a criança, porém ajudar financeiramente ela e ela não aceitava essa ajuda nossa e fazia altos dramas ( de como ia ser o filho dela sem pai presente e tudo mais) e até que um dia a gente fez ela fazer exame para a gente realmente saber se era verdade a gravidez (como ela tinha uma certa fama de destruir relacionamentos dos outros, a gente foi ter certeza se procedia a história) e aí no dia que eles marcou os exames, meu namorado ia com ela neh, porem ela não esperou ele e tirou sangue sem ele e isso aí já fez a gente suspeitar da procedência do exame (pq o laboratório não era tao confiável), mas aí passou uns dias os resultados chegaram e dizia que ela tava realmente grávida e ainda sim existia a dúvida de ser dele e ela ainda continuava infernizando a gente e aí sempre que eu pedia conselhos para aquela "amiga" minha, ela sempre falava para mim terminar com ele e nunca me apoiava e tudo mais e isso me fez ter um pulga atrás da orelha sobre fidelidade dela (mesmo ela falando que ele não fazia o tipo dela, pq ela pode estar mentindo e a fama dela não era tão boa assim, tanto que tinha vindo pessoas me alertar sobre ela) e comecei a ficar esperta, pq meu namorado sempre que a gente ia sair ele gostava de passar na casa dela e tudo mais (e também comecei a ficar alerta, quando meu cachorro avançou nela, sendo que ele é amoroso e tem teorias de que cachorro tem o sentido de descobrir que não tem boas intenções e isso já me deixou encafifada e também teve um dia que a gente foi na casa dela e eu meio que me senti excluída ) e aí um dia a gente marcou de ir eu, meu namorado e a ex dele para a gente sentar e conversar sobre e bom esse dia chegou e após muita discussão ele me escolheu e ela não queria aceitar e começou a fazer chantagem e ainda mandando indiretas para mim por celular e a gente discutia sempre no whatsapp e aí teve um dia que ele foi por um ponto final e aí ela me ameaçou de morte e tudo mais (pse ele gravou um áudio sem ela perceber e ela me ameaçava e falava que se ela não podia ficar com ele, que eu não ia ficar e que ela poderia ir pro inferno por me matar, mas ela não se importava) e quando descobri isso fique desesperada e com medo e com raiva por ele nunca por um ponto final e tudo mais e isso tava me fazendo perder muito cabelo e eu ter crises de ansiedade, pois estava aguentando essa barra toda sozinha, pois não tinha apoio de ninguém (minha mãe sabia do namoro, porém nunca fui de dividir os problemas com ela e ela amava meu namorado) e aí um dia a ex dele teve um aborto espontâneo e aí ela parou de nós infernizar (esqueci de falar que ela sempre falava que ele só está a comigo para fazer ciúmes nela e tudo mais kkkk sendo que ele odiava ela) e aí a gente começou a ter paz, porém ele começou a ficar mais distante (ele falava que eu era a que tava distante, sendo que eu sempre fazia textinho e ele sempre falava as mesmas coisa que ''ele estava surpreso e não sabia o que dizer'' e demais desculpas esfarrapadas e até gastei 150 reais em uma aliança nova, pois eu tinha perdido a outra numa viagem e cara sempre fazia surpresas eu dava 100% de mim e ele nem 50% dele e isso me deixava muito triste e insegura comigo mesma) e um dia ele foi trabalhar em uma festa e aí ele me traiu com uma outra amiga nossa e ele falou que não foi culpa dele e que a menina que tinha beijado ele e tudo mais (e eu a trouxa perdoei)(esse rolo todo foi em 2018) e aí o ano passou e faltando 2 semanas para acabar fevereiro de 2019 ele me pediu um tempo e nesse período aquela minha "amiga" começou a postar fotos com ele com legendas fofas e tudo mais e era todos os dias praticamente e aí eu me afastei dela e aí nesse período saiu o resultado do meu vestibular e eu consegui passar aonde eu queria e aí eu e meu namorado marcou de conversar e resolver o nosso namoro (pq eu tava quase indo para outra cidade por causa da faculdade) e a gente foi no dia que a gente completava 1 ano de namoro e aí ele chegou deu feliz 1 ano e aí começou a falar que me amava,mas que ele tinha medo de eu ir para outra cidade e trair ele ou conhecer alguém melhor que ele e tudo mais (sendo que qualquer babaca seria muito melhor que ele e serio eu trair ele? esses medo era pq ele era o infiel da relação)e aí ele falou que se eu queria terminar com ele e aí eu falei que seria melhor a gente terminar, pq se pra ele nosso relacionamento a distancia não ia funcionar, então para que continuar e aí ele veio me abraçou e começou a chorar, porém percebi que aquele choro não era muito verdadeiro e aí eu chorei vindo para casa, mas era um choro dele alívio e um pouco triste por ter que contar para minha mãe que a gente tinha terminado, pois como a gente terminou eu estava tranquila que eu não iria sofrer mais e assim iria para outra cidade e não precisarei conviver com aquelas pessoas e aí alguns meses após o término meu ex veio conversar e pedir desculpas por tudo que ele tinha feito e pedir uma segunda chance, pois ele tinha se arrependido de tudo (pq ele tinha namorado e essa menina tratou ele tão mal, quanto ele me tratou e aí ele se deu conta das merdas que ele fez com quem realmente amava ele e que sempre cuidou e quis seu bem), porém após esse término eu comecei a ter mais alto estima e perceber que eu merecia alguém muito melhor e que ele e aí eu naturalmente dei um fora (ele começou a falar coisas do tipo ''você fazia cursinho fora e você acha que eu não iria desconfiar de algo'', insinuando que eu tinha traído ele e eu me estressei e comecei falar e por pra fora tudo e ai ele viu o quão errado ele estava) e uns dias depois um amigo meu veio me contar que esse ex meu tinha ficado com essa "amiga" minha um pouco depois que a gente terminou e eu fui e perguntei para ele e ele me confirmou e aí eu cortei minha amizade com aquela "amiga" e aí ele queria continuar a amizade comigo e eu aceitei, porém sempre fui fria e aí ele veio reclamar que eu não era a mesma e que eu estava fria com ele e aí eu falei que depois de tudo ele queria ainda que eu fosse igual com ele e fingisse que tava tudo ok e aí ele parou de falar comigo, por atualmente eu já os perdoei e queira que ele sejam feliz, contei para minha mãe os reais motivos de eu ter terminado com ele uma semana depois de ter me mudado para outra cidade, pq eu não tinha coragem de contar cara a cara e aí lubinha atualmente eu encontrei alguém que realmente me ama e me valoriza do jeito que sou e sempre me anima e sempre está disposto a tudo por mim, tanto que foi ele que me apoio a vir contar para você essa historia (eu e ele te assiste e então sempre que a gente joga a gente usa algumas frases suas), bom lubinha tenho algumas prints das conversas e queria muito poder deixar aqui para você ver, mas não sei como faz para colocar kkkk, a já ia esquecendo de contar que essa ex namorada dele sempre tentava fazer meu amigos se virarem contra mim, porem não conseguiu e então é isso lubinha essa é minha historia de quando fui traída em um relacionamento e em amizades . bjs lubinha e obrigada por todas as noites de diversão que você me proporciona (principalmente com o quadro nice mendigos e sempre coloco eles quando estou com crise de ansiedade ou insonia, pois me ajuda a acalmar e dormir) e caso queira julgar quem foi o babaca da historia pode ficar a vontade (apesar de eu achar que todos foram kkkkk). é isso lubinha,bjs e desejo todo o sucesso do mundo para você, seus editores e turminha. então é isso bjs lubinha, amo você.
submitted by Natalia_Richarde2020 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.30 23:19 Sigolirous Sobre a galera que não ta transando e se sente triste por isso

Boa noite amigos, então, tenho visto que ultimamente essa discussão ta bem latente aqui e quero por meus dois reais nessa caixinha.
Em 2016 foi quando minha vida sexual teve seu primeiro avanço a passos lentos, eu tinha 14 anos e uma namoradinha, a gente nunca chegou a transar de vdd mas sempre rolava umas mãos bobas e etc. Infelizmente, nesse mesmo ano, comecei a ter sérios problemas de autoestima, e até 2018 não fiquei com mais ninguém e sempre achava que a culpa era minha, eu era gordo d+, eu era bobo d+, eu era gentil d+ e afins. Nessa altura, todos os meus amigos já tinham perdido a virgindade e eu piru continuava intocado por uma vagina. 2019 tinha tudo para ser só mais um ano normal em que eu continuaria me achando um bosta e não pegaria ninguém, entretanto, mudei de escola pra fazer meu terceiro ano e nessa nova escola fiz amigas que elevaram MUITO minha autoestima, nunca cheguei a ficar com elas mas PQP como elas mudaram minha vida. 2019 acabou e eu continuava virgem, muito por culpa da minha total falta de autoestima. 2020 chegou e eu me mudei de cidade pra fazer faculdade, estou atualmente morando em uma república e eu posso dizer que essa foi a melhor escolha da minha vida e aqui começa a parte mais importante desse relato.
Estar cercado por pessoas que elevam sua autoestima fazem seu índice de aproveitamento subir muito, muuuito mesmo. Quando eu resolvi morar na rep, todas as pessoas de lá tinham passado pelo mesmo que eu, pelo menos em algum momento da vida e todas se fizeram dispostas a me ajudar com esse problema. Infelizmente, quando a gente não fica com ninguém, os responsáveis não são as pessoas que nos dão os foras, os responsáveis somos nós e essa é a parte mais difícil de aceitar. Como eu poderia esperar que alguém transasse comigo se eu nem ao menos me cuidava direito? Como eu queria pegar 10 mulheres em uma semana se eu nem saia de casa pra conhecer 10 mulheres?
Esse texto só serve pra dizer que se vc não tem transado com frequência, talvez vc deva mudar um pouco seu jeito de ser e de se comportar (se vc achar que vale a pena, não sou seu pai), se vc n transou ainda, espera que um dia sua hora chega, existe SIM mulheres que dão o primeiro passo e, por fim, se vc não transa e acha que a culpa é das mulheres que te rejeitam, procure um psicólogo.

Um grande abraço do seu amigo Sigolirous
submitted by Sigolirous to desabafos [link] [comments]


2020.07.07 20:58 sabugosemmilho Vida sexual completamente frustrada na quarentena

No final de 2019 as coisas estavam caminhando na minha vida, estava namorando e tinha sido promovido no trampo, o que me deu a oportunidade de arranjar um apê e ter a experiência de morar 100% sozinho, que era um objetivo meu desde os 18. As coisas caminharam e eu estava adorando a independência e o meu cafofo, mas ai 2020 veio para estragar a festa. Além do corona, logo em Janeiro a minha namorada recebeu uma proposta de emprego e decidiu aceitar, o que me colocou de volta na vida de solteiro. Eu entendo o lado dela, somos muito novos para se amarrar em um lugar, principalmente considerando que estávamos namorando só a 8 meses. A nossa vida sexual era muito boa, e nunca saímos da “hooney moon phase”.
A quarentena (que sigo até hoje, graças ao abençoado trabalho remoto) começou 2 meses depois do término, o que não me deu muito tempo para flertes e lances. Baixei o Tinder logo em fevereiro, mas não tive nenhuma sorte ali. Inclusive achei bem bosta ter que ficar puxando papo com gente que eu nem conheço, e aparentemente um “Oi, tudo bem?” é a pior ofensa possível nesse ambiente de dating online. Parece que você tem que ter um ato de stand-up para as primeiras mensagens, se não nem rola trocar número, e quem dirá um encontro. Com a quarentena as coisas foram pro ralo de vez. Nem tinder, nem lance, nem flerte, nem mesmo ninguém. Já faz quase 5 meses que eu não tenho nenhum contato físico, e sinceramente, estou ficando louco.
Eu achei que eu aguentaria bem ficar sem sexo. Desde 18 que as coisas meio que davam certo naturalmente. Sempre conhecia alguém na faculdade ou nos barzinhos da vida. Mas de repente tudo isso nem existe mais, e cá estou eu desejando um abraço do entregador de pizza. Confesso que está foda. E o pior de tudo é que eu acho que estou entrando em um buraco. Cada dia que passa nesse isolamento eu me vejo mais e mais aprofundado nas minhas próprias ideias, e menos eu entendo de como manter essa vida social ativa que todos comentam. Nunca fui um Don Juan nem nada, mas agora eu nem sei como eu começaria a conhecer gente nova. Não consigo nem me imaginar numa noitada chegando em uma desconhecida ou qualquer outra coisa. Parece que do nada a naturalidade morreu pra mim. Mesmo no pós-covid, se existir, as responsabilidades da vida adulta não me deixaram espaço para dedicar a vida amorosa. Teria de haver um milagre para que eu conhecesse a pessoa certa, e conseguisse me aproximar dela e desenvolver um relacionamento.
Esse é meu desabafo. Estou extremamente excitado, mas sem ter onde gastar essa energia, e acabo pensando demais sobre meu futuro amoroso. Tá foda pra mais alguém? Eu só queria ter uma foda…
submitted by sabugosemmilho to desabafos [link] [comments]


2020.07.06 00:45 dukaymon Ou os dois são loucos ou nenhum é.

Dia 1: Mário pega no carro e foge, saindo do concelho.
Dia 2 a dia 10: após abandonar o carro num parque de estacionamento a 230 km de casa, Mário esconde-se num pinhal e aí fica até acabaram as poucas latas de comida que trazia na mochila.
Dia 11 a dia 33: alimentado-se de frutas e vegetais que vai roubando de campos agrícolas e sem nunca ficar no mesmo sítio mais do que um dia, Mário encontra-se já a 300 km de casa, perto da fronteira.
Dia 33 a dia 77: sem se atrever a aproximar-se da civilização, por medo que o reconheçam (e não só), no meio do mato Mário encontra refúgio num casebre abandonado, envolto em silvas e arbustos, que funcionam como camuflagem, impedindo que mesmo o transeunte mais atento pudesse vislumbrar o edifício aí escondido. Na praia deserta que fica a 500 metros do local, Mário obtém o alimento que precisa e bebe a água da chuva que se acumula num pequeno tanque decrépito atrás do casebre.
Dia 78: Mário tenta pôr fim a tudo.

"Desculpem-me o mal que vos causei", lia-se na carta, "mas quero que saibam que, tal como rio rebenta o dique e inunda os campos em seu redor, se vocês sofrem por minha culpa, é porque não consegui conter em mim tanto sofrimento."
Dobrou a folha ao meio e deixou-a sobre um banco. Uma lágrima tinha esborratado o texto, deixando uma das palavras totalmente ilegível e, de forma parcial, a palavra que lhe antecedia e a palavra seguinte, mas ele nem reparou. Também não interessava, provavelmente ninguém iria descobrir aquela carta.
Levantou-se, saiu do casebre e caminhou nervosamente até à arriba de onde decidira que haveria de ser conduzido pela gravidade até ao abismo álgido e salgado que o tinha vindo a seduzir sempre um pouco mais de cada vez que o contemplara.
Era um dia ventoso e borralhento, mais ventoso ainda à beira mar, no cimo da falésia. Lá em baixo o mar castigava as rochas impassíveis que outrora haviam estado cobertas por um amplo lençol de areia.
Mário olha para baixo e murmura sofridamente:
-Como é possível que isto já tenha sido uma praia, e eu tenha sido tão feliz nela!
E não contém as lágrimas quando à mente lhe vêm as imagens dos longos e soalheiros dias de verão passados naquele lugar com os amigos, na adolescência.
Vinte anos separavam essas memórias do presente, vinte anos que, a bem dizer, pareciam cem ou mesmo vinte anos vividos por uma pessoa diferente, de tão antipodal era o seu estado de alma na altura em que decide suicidar-se, face à alegria, a energia e o fulgor do seu espírito na juventude.
Mário tentava sempre, quando ainda fazia um esforço para não desistir de viver, impedir-se de recordar esses bons momentos do passado, por saber que lhe agravavam a dor do presente. "O mau não parece tão mau a quem nunca conheceu o bom. Tomara que nunca tivesse experimentado a felicidade!", pensava ele.
Mas agora que está prestes a acabar tudo, que mal advinha de deleitar-se uma última vez com o sol e o calor desses Verões longínquos? A dor terminaria em breve.
- Seja esta a minha última refeição de condenado, um festim para as sensações! - disse ele.
A sua mente é então invadida por todas essas boas recordações que tanto procurara reprimir: as gargalhadas de fazer doer a barriga, os planos e objectivos idílicos para o futuro, a descoberta do prazer da sexualidade, as fogueiras acendidas pouco antes do Sol mergulhar no mar, com o intuito de obrigarem a praia a dar palco à sua puberdade até durante a noite.
Mário trauteia uma música da adolescência, de um desses Verões insuportavelmente felizes, e conforta-se com acreditar que dentro dos vãos e grutas daquela defunta praia ainda é possível ouvir o eco da sua melodia.
No alto do precipício o vento fustiga-o, e ele, de olhos fechados, imagina-o como sendo os seus amigos a saltarem para cima dele em jeito de brincadeira.
Esteve assim largos minutos, a colher quanta felicidade podia colher de um campo de alegrias já ceifado há muito. Até que a noção do presente retorna, para converter essa alegria em suplício: a realidade desesperante que põe fim à miragem de um oásis.
A chuva começava a cair tímida e lentamente, mas era perceptível que se estava a tornar ligeiramente mais forte a cada minuto que passava. Mas o vento, pelo contrário, seguia o sentido oposto ao crescendo da chuva.
-Ah, sim, o último banho do meu último dia de praia - diz Mário sarcasticamente, no seu habitual exercício de auto-comiseração, levantando a cabeça para encarar a chuva.
- Basta! - resmungou ele, cheio de repulsa de si mesmo, por não conseguir deixar de tratar com sarcasmo nem mesmo aquele que era o momento mais sério da sua vida.
Dito isto, baixa a cabeça, fita o abismo, vendo o mar que parecia aumentar de fúria, ofendido com a indiferença dos rochedos, e, sem ponderar um segundo, por medo que a coragem lhe viesse a faltar, dá aquele que pretende que seja o último mergulho da sua vida.
Mantém os olhos fechados e sente nos ouvidos o assobio do ar, que sobrepõe-se ao som da ira do oceano. E assim vai descendo, até que, de súbito, vê as memórias da sua vida, que naquele derradeiro momento parecem-lhe mais vívidas do que alguma vez pareceram, darem lugar a memórias estranhas e alheias a tudo o que vivera, e mas mais bizarro ainda: vê-as, não da sua perspectiva, mas da perspectiva de outra pessoa, que ele não fazia ideia de quem era.
Assustado, abre os olhos de repente e vê o mar a uns quantos metros de distância. Depois disso não se lembra de mais nada.

Quando acordou, Mário deparou-se com uma enfermeira que, empunhando uma seringa, tentava encontrar uma veia no seu braço. Ao vê-lo acordar, a enfermeira apressa-se a chamar um médico.
- O que é que aconteceu? - pergunta Mário, desorientado, ao médico que lhe auscultava o peito.
-Não se lembra do que aconteceu? - pergunta o médico. - O senhor atirou-se de uma falésia. Por sorte, ou mesmo por milagre, caiu numa zona em que a água tinha profundidade suficiente para que não tivesse morte imediata nas rochas. O hospital irá contactar a sua mulher e o o seu filho para informá-los que o senhor já se encontra consciente.
-Desculpe!? Mulher e filho? Eu sou solteiro e vivo com os meus pais! Enganou-se no paciente.
O médico, surpreendido, observa a sua ficha clínica e pergunta-lhe:
- Você não se chama Mário Costa Figueiredo?
-Sim - respondeu Mário.
-Então não há nenhum engano!
-Não, desculpe, há de certeza um equívoco... - retorna Mário, irritado e, ao tentar levantar os braços em protesto, repara que um deles estava algemado à cama.
- Ah, sim já me lembro, apanharam-me finalmente! Mas eu não tenho família nenhuma! Nem sou responsável pelo crime que me atribuem!
O médico calou-se, na dúvida entre estar perante um legítimo caso de amnésia ou um criminoso a mentir para tentar passar a ideia de que estava inocente.
Disse: "eu volto já" e afastou-se.
Os dois polícias que estavam de vigia à porta da sala onde Mário estava internado entraram assim que o médico avisou-os que ele tinha acordado e, a alguma distância, fitaram-no com cara de poucos amigos e trocaram entre si palavras que Mário não conseguia ouvir.
Provavelmente insultos, pensou Mário.
E pela razão certa, mas não contra a pessoa certa. Mário era suspeito de matar uma mulher grávida. O crime fora gravado e a cara dele tinha aparecido na televisão, mas não era ele.
Porém, o facto de se ter posto em fuga não fizera nenhum favor à sua reputação de auto-proclamado inocente, embora se ele próprio se tinha visto em vídeo a cometer aquele crime hediondo, seria impossível parecer mais culpado mesmo que tivesse ficado placidamente sentado no sofá à espera que a polícia arrombasse a porta de sua casa para o prender.
Setenta e oito dias em fuga andou Mário, até ser encontrado inconsciente na praia, após a tentativa falhada de suicido.
Mas porque fugiu Mário? E porque se tentou matar? As respostas, que parecem óbvias - não ser injustamente condenado por homicídio e estar cansado de viver como um pária fugitivo - não satisfazem totalmente as perguntas. Se esses foram factores a ter em conta, havia contudo algo de mais profundo, mais inquietante e mais assustador - ele fê-lo porque, no seu íntimo, sentia-se de alguma maneira culpado pelo crime que não cometeu.
Um Mário completamente seguro da sua inocência talvez não fugisse se o acusassem de um crime cometido por outrem. E decerto que jamais aceitaria carregar a culpa alheia por um crime, mesmo que todas as testemunhas jurassem pelos parentes defuntos que o tinham visto a disparar a arma. Nem mesmo que ele se tivesse visto a matar a vítima, como de facto viu. Nem mesmo que a sua vida dependesse disso. Mário estava inocente e sabia-o com toda a certeza, mas sabia também, com equivalente grau de certeza, que era (um pouco) culpado.

Mas os problemas de Mário não começaram com o homicídio.
Um estranho acontecimento ocorrido vinte anos antes, fora o que dera início à inexorável descida de Mário ao abismo.
Mário sempre jurou que pouco tempo antes do acidente que o tinha deixado desfigurado, tivera uma premonição. Um sentimento repugnante, um misto de desespero e medo avassalador, acompanhado por um arrepio na espinha, que sentira ao ver um relâmpago cair no sítio onde meses mais tarde seria atropelado por um carro.
Estropiado e desfigurado, não foi mais capaz de arranjar emprego e muito menos manter uma vida amorosa com uma mulher. Tinha passado os últimos vinte anos da sua vida a viver em casa dos pais, dependente destes, sem quase nunca sair à rua. Um adulto que nunca experimentara ser adulto, alguém que ia envelhecendo mas cuja vida parara para sempre na adolescência.
Sem coragem para matar-se, a única coisa que desejava, dia a pós dia, era a morte.


As provas não deixavam margem para dúvida: as impressões digitais recolhidas no local do crime eram dele, bem como ADN. Se ele não era culpado deste crime, as prisões estavam cheias de inocentes.
E no entanto não era culpado, asseverava ele com toda a convicção e honestidade possíveis de se encontrar num inocente injustamente acusado.
Mário foi condenado à pena máxima. A "sua" mulher esteve presente no julgamento, chorosa, desolada, horrorizada. E na cara de Mário era patente a incredulidade de um viajante do tempo que encontra no futuro um mundo tecnologicamente impossível de conceber na sua era. Estarei louco?, pensou ele. E foi nisso que preferiu acreditar, confrontado com a sua "nova" realidade. Mas não cometi aquele crime, posso estar louco mas não sou assassino!
A mulher visitou-o relutantemente apenas uma vez na prisão. Quando, durante essa visita, ele lhe disse que nunca a tinha visto na vida e que não tinha filho algum, nem com ela nem com ninguém, ela sentiu alívio por ter sido ele a pôr fim a tudo. Se fosse eu a rejeitá-lo, ele ainda me mandava matar!, pensou ela à saída da prisão.Mário depressa se aclimatou à vida de recluso, que ele não considerava pior que a vida miserável que tinha levado durante os últimos vinte anos, enclausurado em casa dos pais. Ao fim do primeiro ano, Mário decide escrever um livro, uma espécie de biografia "barra" apologia da sua inocência.
Falou da premonição, do acidente meses mais tarde, da visão que teve quando se tentou matar; tentou demonstrar o seu álibi para a momento do crime e falou das suas famílias: a verdadeira, os pais, dos quais nunca mais teve notícia e nunca mais não foi capaz de encontrar, como se nunca tivessem existido (a casa onde viviam também não existia), e da nova família e nova vida que o universo lhe atribui depois de se ter atirado da falésia.

O manuscrito chamou a atenção do psiquiatra que acompanhava Mário. O psiquiatra tinha diagnosticado Mário com amnésia retrógrada e classificara as memórias anteriores ao acidente de confabulações.
O psiquiatra tinha um amigo, Alexandre, um sujeito lunático mas interessante, que tinha interesse no ocultismo, em particular na parapsicologia. O psiquiatra, Carlos de seu nome, que gostava de ficar a ouvir o seu amigo e antigo colega de faculdade a debitar disparates fantasiosos mas originais quando se encontravam aos domingos à tarde, na casa deste último, sempre com um leve sorriso de troça na cara, sem, contudo, ser desrespeitoso e sem que Alexandre levasse a mal, decidiu mostrar-lhe uma cópia do manuscrito, com a autorização de Mário.
Numa terça-feira de manhã, no caminho para o trabalho, Carlos parou na casa do seu amigo e entregou-lhe o manuscrito, na expectativa de ouvir Alexandre discorrer sobre o assunto no domingo seguinte.
- Olha o que um recluso lá da prisão escreveu. Diverte-te.
E saiu um pouco apressado, pois já ia atrasado.
Domingo chegou, e, para quebrar o hábito, era Alexandre que batia à porta de Carlos logo após o almoço e não o inverso, como sempre sucedera. Estava nervoso e efusivo, como um adolescente prestes a perder a virgindade.
- Tenho de falar com esse tipo. A que horas podem os prisioneiros receber visitas? - perguntou Alexandre.
Carlos tentou demovê-lo, pois não lhe agradava a ideia que um doente mental como Mário, e ainda por cima um paciente seu, fosse influenciado por um excêntrico como Alexandre, por mais bem-intencionado que fosse. Discutiram e foram-se zangando gradualmente mais com o decorrer da discussão. No fim, para não arruinar aquela amizade que ambos prezavam, Carlos concedeu que Alexandre visitasse Mário, até porque não havia maneira legal de o impedir.

O dia em que Mário e Alexandre se conheceram chegou, e, assim que Mário o viu, pensou tratar-se de algum daqueles "novos" parentes ou amigos da sua realidade pós tentativa de suicídio.
- Ah, sim, você é o tal amigo do psiquiatra - disse Mário, aliviado por não ser nada daquilo que esperara.
Alexandre disse que lera o livro e Mário interrompeu-o:
-Deve pensar que eu sou maluco ou mentiroso, não é? - acrescentou ele.
Houve uma pausa e Alexandre, num tom sério, respondeu:
- Não, não acho...
Os olhos de Mário acenderam-se e, após alguns uns segundos, perguntou:
Quer dizer que você... acredita?
Uma pausa, mais longa que a anterior, separou a pergunta de Mário da resposta de Alexandre. Alexandre aproximou a cara do vidro e, como que reconfortando um amigo em sofrimento, diz com voz baixa mas firme:
- Acredito.
Mário pergunta imediatamente, incrédulo e extático:
-Acredita que eu sou inocente ou no resto? Ou em tudo?
Alexandre diz:
-Acredito que teve de facto aquilo a que chama de "premonição". Acredito que viu o que viu quando se atirou para o mar e, embora não descarte a hipótese de amnésia, creio que é possível que esteja a ser sincero quando diz que a sua família não é de facto a sua família. Quanto ao crime, devo ser a única pessoa no mundo que não está convicto da sua culpabilidade.
Mário não sabia o que achar. A realidade para ele não fazia sentido. Se ele próprio vira-se a cometer o crime e sentia-se um pouco culpado por isso, embora soubesse que não o cometera, e se havia provas irrefutáveis que apontavam para si, como é que era possível que alguém duvidasse disso, ainda para mais um total desconhecido como Alexandre? Uma realidade em que Mário era casado e tinha um filho, era uma realidade em que também podia existir alguém como Alexandre. Mas provavelmente estava louco, como preferia acreditar.
Quase a chorar, Mário pergunta:
-O que o leva acreditar em mim?
Alexandre diz:
-Conhece o conceito de doppelganger?
- Sósias? Sim - respondeu Mário.
-Certo - retorquiu Alexandre-, mas não me refiro somente a pessoas apenas com similaridades físicas com outras pessoas sem parentesco. Falo de uma relação entre dois ou mais indivíduos que vai além do que é meramente o aspecto físico, a uma relação de transcendência psicológica, uma ligação talvez metafísica entre mentes.
-Desculpe, mas não acredito nessas coisas - retrucou Mário. - E não vejo o que tem isso a ver com o meu caso. Está a querer dizer que foi um sósia meu que cometeu o crime?
-Não acredita, mas no entanto jura que a sua família foi trocada, que não cometeu o crime apesar das evidências e que viu a vida de outra pessoa à frente quando tentou matar-se. Se não acredita, então só podemos concluir que é louco, certo? E para além disso, é você que afirma ter tido uma "premonição". Ora, não acredita em si próprio? Loucura por certo...

Mário, sentiu-se tocado. Nunca revelara a ninguém que achava que talvez estivesse louco. Mas que outra explicação haveria?
-Não me diga que o meu sósia também tem o meu ADN e as minhas impressões digitais? - disse Mário, um pouco desdenhoso. - E quando eu falei de premonição, se você leu mesmo livro, decerto se lembrará que não invoquei explicações paranormais. Eu senti que algo de mau ia acontecer, e aconteceu. Foi apenas isso, um sentimento. Se eu "adivinhei" o futuro ou se foi um sinal "dos Céus" abstenho-me de especular.
Pense nisto - disse Alexandre-, tal como duas pessoas diferentes, sem qualquer contacto entre si, podem acertar nos números da lotaria, também é possível, mas extremamente improvável, que duas pessoas tenham o mesmo ADN. A probabilidade é tão baixa que no mundo você não encontrará ninguém geneticamente igual a si, mas se a população mundial fosse suficientemente numerosa, seria possível encontrar; e quanto mais numerosa fosse, mais probabilidade haveria. Seriam seus "gémeos" idênticos, apesar de não serem filhos dos mesmos pais... - Mário ia dizer algo, mas Alexandre aumentou e apressou a voz de modo a impedido de exprimir-se. - Quanto à premonição, se você pressentiu algo de mau que iria acontecer meses depois, então é óbvio que temos de recorrer a explicações não usuais para isso, pois prever o futuro não é considerado possível pela ortodoxia científica. Dou-lhe o seguinte exemplo como forma de fazê-lo perceber melhor onde quero chegar:
"Há várias décadas, na Austrália, um homem, incapaz de adormecer, decide ir à varanda para apanhar ar. No momento em que vê a lua cheia sente uma repulsa macabra inexplicável, como nunca tinha sentido, um mal-estar físico como se tivesse ingerido algum veneno. Era perto da meia-noite. No dia seguinte, a polícia bate à sua porta e informa-o que a sua filha fora assassinada. O médico legista determinou que ela tinha sido morta por volta da meia-noite.
"Não havia maneira do pai saber que a filha estava a ser assassinada a dezenas de km de distância, no entanto esse acontecimento foi sentido por ele de algum modo, a não ser que acreditemos que se tratou de uma coincidência.
"Isto costuma acontecer também com gémeos idênticos, em que um deles é sensível ao que se passa com o outro."
-Continuo sem perceber o que tem isso a ver comigo - disse Mário.
-Da mesma forma que a mente consegue sentir a dor ou alegria de alguém que nos é biologicamente próximo, ou mesmo idêntico, você, como confessou no seu livro, talvez sente-se um pouco culpado pelo crime porque aquele poderia ser o seu irmão gémeo ou algum "clone" sem relação a si, como referi há pouco. Esta - um irmão gémeo - seria a explicação mais simples, e portanto mais plausível, para o sucedido. Mas como acreditar nisto se você próprio confessou o crime na sua carta de despedida? E se eu acreditasse nisto não estaria aqui.
Mário ficou atónito:
-Desculpe?
Alexandre, que não estava surpreendido com a surpresa de Mário, não que achasse que ele estava amnésico ou a fingir, diz:
-Sim, após acordar no hospital você revelou o seu esconderijo à polícia e lá encontraram a sua carta, na qual desculpava-se pelo sofrimento causado à sua mulher e filho e confessava o homicídio da sua amante grávida. .
-Não, lamento, isso não aconteceu. Eu escrevi uma carta, sim. Mas como tem você conhecimento disso? - pergunta Mário. Que um estranho tivesse conhecimento de uma carta que nem a polícia que investigou o crime e perseguiu Mário durante quase três meses conhecia, seria motivo de estupefacção e medo para qualquer pessoa, mas em Mário, que já passara e continuava a passar por coisas mais bizarras, isso não causou tanto espanto como deveria. Mário acrescenta:
-Mas não escrevi isso que diz. E para além disso, a polícia, que eu saiba, nunca encontrou a carta porque eu, com vergonha, nunca mencionei o esconderijo. Não queria que a minha carta de despedida fosse descoberta tendo eu sobrevivido, seria vergonhoso demais. Mas em nenhum parágrafo da carta admiti o crime, pois não o cometi. Apenas pedia desculpa aos meus pais pelo sofrimento que lhes causei, motivado pelo sofrimento que eu sentia.
-Lembre-se, eu acredito que esteja a ser sincero quando diz o que diz. E que essa sinceridade não advém das confabulações em que um amnésico acredita, mas correspondem aos factos.
"Eis o que eu acho: você não matou aquela mulher. Mas você também matou-a. E as suas duas famílias são ambas suas mas não ao mesmo tempo. E as memórias que viu na mente são suas e e não são suas, pois foram e não foram vividas por si.
"Aquela sua premonição, tida no momento de uma descarga de energia - o relâmpago - foi a recolecção, por parte da sua mente, da informação de um evento que tinha acontecido no futuro, mas um futuro doutro universo, futuro esse que, em relação à linha temporal do nosso universo, seria um acontecimento do passado. Doutro modo, você não poderia ter tido a premonição, pois a causa (o acidente) teve de anteceder o efeito (a premonição do acidente) para que aquele pudesse ser previsto. Como, de acordo com as leis da física, as causas nunca antecedem os efeitos, o acidente teve de ocorrer primeiro noutro universo para que o conhecimento dele neste universo pudesse anteceder o seu acontecimento neste universo. É esta, a meu ver, a explicação para o fenómeno vulgarmente denominado «premonição»: a falsa «previsão» do futuro que não é mais que a lembrança, neste universo, de um evento já ocorrido noutro universo e que irá também ocorrer neste. E falo da verdadeira premonição, não da ilusão de premonição que advém das naturais falhas e vieses cognitivos da mente humana."
-Agora você já está a abusar- disse Mário. - Ou você é mais louco do que eu ou está a fazer pouco de mim.
Alexandre esboçou um sorriso, mas logo ficou sério:
- Não, repare, o que eu lhe estou a tentar dizer é que acredito que cada um de nós tem pelo menos um outro "eu", e talvez uma infinidade de "eus", que existem simultaneamente connosco, mas não aqui. O que acontece, na minha opinião, é que, por razões que ainda não vislumbro, às vezes esse(s) diferente(s) universo(s), ou partes dele(s), como você, ou eu, ou uma cadeira, ou uma árvore, ou um simples átomo, cruza(m)-se com o nosso, da mesma maneira que duas linhas de pesca se emaranham ao cruzarem-se, ou como dois fios de electricidade, que correm paralelos de um poste ao outro, tocam-se quando há vento. E ao fazerem-no podem trocar matéria, energia e informação. As memórias que você viu, e que se calhar irá ver com mais frequência, ou nunca mais, são as memórias do seu outro "eu" de um universo paralelo, com o qual você trocou informação. A "nova" vida que todos dizem ser sua após a queda no mar, talvez não seja mais que a "sua" vida de um universo paralelo. Talvez você não seja deste universo, ou talvez sejamos nós, e quando digo nós refiro-me à totalidade do que existe neste universo, que estejamos a mais; se calhar este universo, ao emaranhar-se com outro, foi esvaziado do seu conteúdo original, excepto você, e preenchido com o conteúdo desse outro universo. E agora você, neste seu universo, paga pelo crime que o seu outro eu cometeu naquele nosso universo. E o seu outro eu deve andar por lá livre como um passarinho. Que bela forma de escapar à justiça, não acha?
"E às vezes, creio que acontece o seguinte: quando dois universos se «cruzam» apenas um deles recebe matéria ou energia do outro. É esta, a meu ver, a origem de alguns doppelgangers. Que podem ser de pessoas, animais, plantas ou coisas inanimadas.
"É natural que se sinta culpado do crime, foi você que o cometeu. Se um pai é capaz de sentir uma filha a ser assassinada e um gémeo a dor de outro gémeo, como não havia você de sentir o que você próprio fez?"
Mário abanou a cabeça como quem está farto de ouvir baboseiras e levantou-se da cadeira.
-A visita acabou - disse ele ao guarda. E foi reconduzido à sua cela.
Devo estar louco, de facto. E se calhar até cometi o crime e não me lembro. Se calhar estão todos certos. Mas aquele tipo também não devia andar à solta, pensou Mário. E talvez estivesse certo também.
submitted by dukaymon to escrita [link] [comments]


2020.07.04 21:33 Doubts772 Oque estudar ?Heelp ,-'

Olá,gente é o seguinte ,sou formado como técnico pelo Senai,já estou no meu terceiro trampo ,mas ainda não sei se é oque eu quero da minha vida pois além de não gostar do que faço (operar máquina)não me da um retorno financeiro muito bom,tenho 19 anos e ainda posso arriscar uma nova profissão sem que isso me prejudique totalmente,.
Não sei qual faculdade fazer e qual curso,tô em dúvida em engenharia química ou automação,sei que é difícil incentivar alguém a estudar determinada coisa ,ainda mais quando vc não conhece muito bem a pessoa,mas vcs me indicam algum curso que vcs já estudam ou estudaram?tava pensando em trabalhar na indústria farmacêutica pois é um setor bom,vocês poderia me ajudar ?quero chegar lá na frente fazendo algo que gosto e ser bem remunerado mas existem tantas opções hoje em dia.
Thanks
submitted by Doubts772 to desabafos [link] [comments]


2020.07.01 08:10 alteregoshadow Somos todos chatos

Porra kkkkk coloquei esse título e nem sei como começar a escrever... de novo droga Formatação lixo de celular fodasçe Bem, talvez seja bom começar falando que quase todos os posts desse sub são iguais, sempre alguém se sentindo sozinho, ou desilusão/decepção, ou perda de ente querido, pedido de conselho quanto a um relacionamento, "quarentena", desemprego, faculdade... enfim vcs entenderam Sei lá, ainda tem gente que se acha especial? Kkkkkk de verdade Pois no fim das contas parece que tá todo mundo só repetindo padrões Por que queremos desabafar aqui? Tem alguma coisa de especial aqui? Alguns podem dizer que pode ser bom para conhecer novas pessoas, receber conselhos e etc, mas até isso é sempre igual: a pessoa vai te mandar uma mensagem, vcs vão conversar um pouquinho... e só kkkkk raramente sai disso. Os conselhos tbm sempre iguais, "converse com a pessoa", "procure ajuda"... inheeeee Mas na real, não tem como fugir muito disso, certo? Ainda mais na internet As pessoas não vão se importar o suficiente, e mesmo que se importem, o máximo que vão conseguir fazer é lamentar No fim das contas, quem faz um post aqui está na verdade escrevendo para si mesmo. Talvez esse seja o real intuito de um desabafo, é um fim por si só. A questão é que ficar falando dos problemas não resolve muita coisa. É exatamente isso que eu faço há mais de uma década. Falo dos meus problemas. Mas não importa, eu nem consigo levar o mundo a sério mesmo. Minha maior diversão na infância com os brinquedos sempre foi quebrá-los. Nos jogos online (quando jogava) só me divertia trollando kkkkk é chegar no csgo, abrir o voice e mandar um "caralho que cheiro de pica ashuashiushasi" kkkkkkk, chegar no banheiro da faculdade ou do shopping e casualmente dizer que o lugar está com odores provenientes de excremento KKKKKKK O que vai acontecer comigo depois disso? Vão me achar estranho? Isso importa? Não consigo pensar que sim Desde criança que eu só consigo pensar em como tudo que existe no plano material um dia vai se desfazer. Chegou a um ponto em que eu conversava com uma pessoa e do nada passava a imaginar essa pessoa envelhecendo, derretendo, e imaginava ela morta. Com um nível de detalhes bem minucioso, até com as minhoquinhas comendo o que sobrou da pele antes do crânio. Junto a essa imaginação visual, vem uma voz dizendo que a pessoa com a qual estou conversando vai morrer, assim como eu vou morrer, e tudo que existe nesse plano irá perecer. E isso não é bom nem ruim, é só a realidade. Um cenário bem fúnebre. Eu poderia falar sobre isso aqui nesse sub. Dizer que é um problema que eu tenho. Mas primeiro, certamente não sou só eu que tenho; segundo não necessariamente seja um problema; terceiro o máximo que iria receber são: "também tenho isso", "conheço alguém que tem", "procure ajuda", enfim Poderia também falar que tenho blefarite e não consigo entender como minhas pálpebras conseguem produzir tanta caspa Ou então como o meu irmão mais velho teve muito mais "sucesso" que eu (no sentido midiático/social) Ou oq penso de certos familiares como a minha mãe, por exemplo, tenho raiva de certos hábitos dela e ainda mais raiva de mim por ter herdado muitos deles Mas não importa também. Só eu, sou eu. Só eu vou verdadeiramente saber oq eu penso, pelo oq passei e em que circunstâncias me encontro. Uma outra pessoa, que eu nem conheço e que é totalmente diferente de mim não vai conseguir me edificar em nada só a partir de um texto porcamente escrito como esse Talvez eu apenas tenha escolhido o lugar errado para escrever esse tipo de coisa. Já fiz um post muito parecido com esse aqui, entitulado "resumo do resumo preguiçoso do bug interno", pq escrevi aquilo? Simplesmente pq queria. Não precisava de um conselho, nem de alguém pra conversar, nem nada. O que aconteceu foi que meu fluxo mental se sentiu na necessidade de ser compartilhado. O que notei foi que aquele post em específico, apesar de ter um título excêntrico, teve pouquíssima repercussão, porém um outro post que fiz beeem mais simples e genérico sobre como não sinto falta da escola repercutiu MUITO, quer dizer, pelo menos para os meus padrões, mas de fato foi muito mais do que eu esperava. O que me faz pensar, é isso que vocês desse sub querem, certo? Querem ler que tem um bocado de gente na mesma situação que ti, querem ler sobre saudade, solidão, relacionamentos e sla mais oq. Bem, se for esse o caso, eu apenas preciso achar outro lugar para compartilhar minhas ideias. Eu escrevo nos meus cadernos e blocos de notas velhos, mas às vezes sinto necessidade de compartilhar com alguém que não seja a mim mesmo ou alguns amigos próximos, o porquê disso? Simplesmente pq é assim que o ser humano funciona, e é inútil lutar contra isso Sei lá cara, esse mundo é muito louco. Às vezes eu acho que seria melhor pra mim se eu morasse no campo, numa região mais afastada. Sempre me sinto melhor nesses ambientes, um lugar em que só de estar chovendo eu já fico feliz pq sei que vou sentir o cheiro de terra molhada, suoer simples mas efetivo. É como se as cidades me deixassem doente. Eu não preciso de muito, só quero comida de boa qualidade, um lugar pra morar, saúde e tranquilidade. Engraçado como pedir isso parece ser demais, porém ter uma vida sexual de sucesso e muito dinheiro pra enfiar no cu é pedir de menos. E sempre me lembro que, diferente do que meu eu do passado achava, eu não preciso me inferiorizar ao meu irmão. Só pq ele tem mais dinheiro? Posses? Títulos acadêmicos? Uma saúde ainda pior que a minha? Falta de tempo? Como falei acima, só eu sou eu, oq importa pra mim nesse momento é apenas tentar ser uma pessoa melhor a cada dia. Treinar, estudar, livrar-me de meus vícios, não fazer mal aos outros, encher-me de mim mesmo, evoluir-me mentalmente e fisicamente, é como os mais velhos dizem, sempre tem como melhorar. E é isso que eu quero, tentar melhorar pra assim construir uma vida que ao meus olhos, é muito mais do caralho que a vida do meu irmão, e a vida do meu eu do passado.
submitted by alteregoshadow to desabafos [link] [comments]


2020.06.21 21:09 Apectocio Minha Biografia

no 3º ano do fundamental eu conheci um grande amigo chamado de gabriel e dps eu tive que sair da escola e quero contar isso para vcs como foi ficar 3 anos sem o meu melhor amigo

1º ano

Eu tinha me mudado de escola devido a crise que teve em 2012 que afetou a minha família e meu pai acabou perdendo o emprego e troquei de escola de para um Sesi pequeno no 5 º ano e que estava com problemas financeiros, quando eu cheguei eu n consegui fazer um amigo e todo o recreio eu sentava sozinho em um canto ao lado da sala dos professores, até que depois de um tempo a coordenadora da escola passou onde eu tava e perguntou pq eu estava sozinho no recreio bem eu disse q não consigo ter um amigo pq não conseguia ter um assunto e ela me levou em um grupo da minha sala e me apresentou e fiquei com muita vergonha, o grupo só ignorou a minha existência e acabou o recreio.
Bem depois desse dia a coordenadora disse para todos os professores, e todos os dias a coordenadora pedia para um grupos de alunos ir conversar comigo e eles iam lá para conversar bem eu falava coisas bem curtas e depois de um tempo de silencio eles iam embora, meio ano passou o meu pai começou a trabalhar de "Tio de piruá" na minha escola e até que a coordenadora me puxou para uma sala e me apresentou um grupo que era um grupo de robótica e na quele dia fiquei muito confortável me sentia finalmente em casa pq eu gosto de Tecnologia e não precisava falar muito o grupo era de 3 garotas do 3º ano do ensino médio e 2 garotos do Ensino médio e um professor de robótica eu ficava quieto escutando e gostava de ouvir a conversa deles, mas nem tudo era um 1000 maravilhas eu tirava notas baixas pq eu não conseguia aprender até que a diretora da escola chamou o meu pai para conversar sobre o mim.
Depois desse conversa o meu pai falou para minha mãe resolver esse problema, e foi passou em médicos e a diretora queria a que eu passasse em uma psicóloga, o ano estava acabando as minhas notas não se encaixavam para passar de ano e na reunião de pais, e minha mãe disse para mim que passei só por uma coisa a minha mãe e a diretora fez um trato é que eu fizesse um curso do Kumon aceitou a proposta, e vamos lá para o 6º ano do ensino fundamental.

2ºano

6º a sua rotina escolar muda agora não é 1 professor são 5, no inicio do ano a escola teve que demitir o professor de robótica e acabou o grupo todos os alunos foram para a faculdade e fiquei de novo sozinho e agora estou fazendo kumon estava começando a ficar louco, que quando o professor disse que de um trabalho de casa eu simplesmente chorei na sala de aula e o professor conversou comigo e disse que eu nem tava tendo um tempo de "viver" a minha vida finais de semana cheio de lições de casa da escola e do kumon e quando eu chegava em casa o meu pai estava só cansado e não gosta de falar comigo até nos dias atuais
Metade do ano se foi, eu comecei a ir em uma psicóloga eu falava com ela pq eu pensava que tudo se resolvesse e fosse uma pessoa normal e eu precisava em colaborar com ela
O Sesi começou a falir não tinha professor de matemática trocaram por 5 professores que não conseguiam passar a matéria na sala de aula , e a minha media de notas de 7 ou 6 foi para 2 ou 3 depois de ver essas notas eu comecei a esconder as minhas provas de baixo da minha cama eu não queria ver a minha mãe triste, estava começando a ter a pensamentos tipo "Se eu repetir 1 ano eu vou ser um Jé ninguém eu não quero viver desse jeito! eu não ligo para a minha vida se eu viver como um Jé ninguém, apesar qual é o sentido da minha existência? as pessoas são melhores do que eu sempre conseguem tirar um 10 e viver a sua vida e eu me matando por um 6 ou 7 e me matar para fazer um trabalho chega desse loop infinito!" de madrugada eu tava fazendo as lições de do Kumon até que eu peguei um papel no bloco de notas e escrevi e depois comecei a sentir uma dor intensa nas minhas costas, uma dor que não dava para descrever uma mistura de ardência e dor em minhas costas e fui parar em um hospital.

2,5º ano

Fui para um hospital publico e demorei umas 2-3 horas fui atendido com medico cubano eu disse que eu estava com uma dor insuportável em minhas costas ele falou que queria ver as costas, eu não tinha visto em casa, e tinha umas bolhas e minha pele estava avermelhada, o medico pediu para deitar na maca e falou que ia apertar a minha barriga, eu disse " okayy né você tem o diploma você sabe o que está fazendo né" ele deu uma apertada na minha barriga de uma forma quase saiu os meu órgãos pela a minha boca, depois de ter apertado a minha barriga falou que a intenção era de VoMItAr, eu e meu pai que tava do lado a gente ficou com uma cara de "excuse WTF!" e ele disse que era virose então eu e meu pai saiu de madrugada quase amanhecendo do hospital, fomos em medico decente e disse que eu estava com o Herpes Zoster (caso não sabe, pesquise), comecei a tomar muitos remédios indo para a escola cheio de dores na minhas costas
Passou 3 meses e finalmente curado! eu lembro do meu medico que a causa pode ser tanto de estresse ou imunidade baixa e depois desse dia eu comecei a a cuidar da minha saúde, escola acabando e notas 2 ou 3 era toda hora em matemática, eu por desespero eu fui tentar colar com uma calculadora na prova não deu certo zeraram a minha prova.
Reunião de pais foi diferente dos anteriores, a diretora chamou o meus pais para conversar a sós e falou que não da para me passar de ano com as minhas notas me repetiram de ano depois desse disso eu só passei o dia para baixo, eu sentei em um degrau das escadas e meu pai chegou sentou ao meu lado, e disse que não precisa se preocupar esse ano foi difícil para você que ele não entenderiam como foi, eu entrei no carro eu tava no banco de atrás a viajem para a casa foi a minha mãe reclamando para o meu pai que tinha que por na escola publica não adianta investir em mim eu só ignorei
Dezembro estava dormindo na casa da minha vó o meu pai tinha arrumado um emprego mas tinha que viajar e demorava 3 meses para voltar e minha mãe tava trabalhando
Ano novo agora vai ser um ano bom 2016 tem que ser ótimo! já me matriculei em outra escola...
3...2..1!

3º ano

Nunca tinha visto os fogos de artifício de um jeito que parecia uma esperança uma coisa nova a cada ano ver os fogos queimando no céu e explodindo as pessoas se abraçando comemorando o seu amor e carinho da própria família e consegui perceber que a coisa mais valiosa foi ter a minha família que sempre estarão ao meu lado se pisar na bola isso foi inacreditável que eu pensei
Fevereiro comecei a escola nova que se chama Escrevivendo , e no primeiro dia conheci uma Garota mas MUITO diferente do normal ela nunca quer conversar com o grupo de garotas da sala pq são muito mesquinhas para ela, eu fui me apresentar para ter um amigo para ela e sinceramente acho que quando eu conheci ela acho que mudei de pessoa uma mais extrovertido, o nome dela é Pietra ela falava que tinha um namorado no 6º ano para mim soava um pouco irônico por ser muito nova, ela gostava muito do Doctor who e mostrou um cantor que tanto eu gosto até hoje Joji Tvfilthyfrank hoje em dia eu gosto mais do Joji kkkk
Até que um dia eu pela a primeira vez eu senti apaixonado por uma pessoa que a sensação de amar ela do simples fato que ser ela mesma e diferente, depois de conhecer ela o maior motivo era alegrar o meu dia ao lado dela e dar gargalhadas em um vídeo mais idiota que a gente achou na internet sobre chaves, aiai! que saudades! até que em um dia ela chegou para mim que e falou a verdade que não queria nem um relacionamento bem nessa parte eu tinha entendido também a gente era novo para isso .
Pietra se você estiver vendo isso te amo FEDIDA!
O meu pai me deu o primeiro celular um moto g1 finalmente! e geralmente o colégio no final do ano faz uma feira cultural e precisa do celular para os professores amurarem os alunos para dança mas que coisa vergonhosa, e o grupo era no facebook então tive que usar a minha conta que tinha feito a muito tempo atrás, abri o app de mensagens do facebook eu eu tenho umas mensagens de um tal de Gabriel, eu não me lembrava mesmo pq fazia muito tempo eu ignorei
Fiz a minha parte do trabalho e passei de ano! dezembro de novo na casa da minha vó até que eu lembro quem foi o Gabriel no 3 º ano do fundamental até que eu respondi ele CARA É VC? bem depois desse dia a gente ainda é melhores amigos a gente fica jogando se divertindo e vendo filmes, A Pietra não falo muito mais com ela pq tive que trocar de escola (Um dia eu vou fazer um desabafo só do Gabriel pq tá enorme isso !)

Conclusão

Meu a vida é importante se a situação tá ruim é para melhorar, se vc tem problemas procura um medico fale com pessoas a sua vida é importante! e quero que goste da minha biografia apesar que é mais puxado para desabafo
Tchau Galera! e um grande abraço em vcs!
submitted by Apectocio to desabafos [link] [comments]


2020.06.21 17:13 joaomezencio Sua roupa te coloca em "posição de culpado" (história comprida, paciência) opinem por favor, e se quiserem dar algum conselho eu aceito!

Olá a todos que lerão isso, e se chegar ao luba, olá para você e seu setup de 1 trilhão de reais.... A história que vou contar aconteceu em 2017, e o que me motivou primeiramente a contar ela foi o vídeo do luba intitulado "Meu amigo foi agredido por 5 policiais. // Giro do Luba #07", porém eu tenho um bloqueio com julgamentos e preferi não me expor na época, mas agora me sinto mais confortável em falar disso aqui.
Uma noite por volta de metade de junho eu estava na casa de dois amigos, na época jogávamos juntos DotA 2, pois eu n tinha condições de comprar um computador próprio, nesse dia jogamos, comemos salgadinhos e vimos jogo na tv, e então quando era próximo de meia noite eu saí para voltar pra casa (moramos a menos de 100 metros, no mesmo quarteirão), e quando eu estava na metade do caminho, um carro da polícia veio correndo na minha direção e o policial com a arma pra fora do carro e sirene ligada já me mandou encostar na parede.
-Uma pausa para o contexto: eu estava resfriado, e vestido como fico em casa, de calça, blusa de moletom e meia com chinelo, como somos amigos e a casa é perto nem me dei o trabalho de preocupar com roupas.
Voltando... os policiais me perguntaram de onde eu vinha, eu expliquei tudo e eles me mandaram sentar na calçada, falaram que havia ocorrido um assalto a mão armada em uma lanchonete no bairro de cima do que eu moro, tiraram foto minha e mandaram pra outros policiais que estavam no lugar do ocorrido, essa lanchonete fica a uns 2 quilometros ou quase isso daqui.
E então as vitimas começaram a dizer que o assaltante em questão, na verdade eram 2, tinha uma roupa no mesmo estilo da minha (porém as vitimas não estavam sobrias), e então começaram as ameaças por parte dos policiais, um deles começou a me dizer e repetir "errar é normal mas persistir no erro é burrice", e começou a me ameaçar dizendo assim: "é melhor vc falar logo, pq se a gnt subir lá pra cima é pior, eu bato forte (lá pra cima é a delegacia no caso)", enquanto o outro companheiro dele dizia: "fica tranquilo que seu ele tentar fugir eu meto bala nele".
Eles chegaram a ir na casa desses amigos meus averiguar se o que eu falava era verdade, eles confirmaram a minha versão, porém eles não ligaram e disseram que as vitimas diziam que eu era o culpado, e agora começa a ficar pior.
Nesse ponto da noite eu já estava algemado, me deixaram de costas pras vitimas e perguntaram se era eu mesmo, e adivinha? ele disseram que sim, sem nem ver meu rosto, genial!
Então me levaram para um posto policial para registrar a ocorrencia, o pai desses meus amigos e minha mãe estavam juntos (meu pai não tá nem aí pro que acontece comigo), e as ameaças e constrangimento foram só aumentando, diziam que era pra eu começar a rezar, e fizeram eu tirar a roupa pra ver se eu escondia algo.
Depois disso me levaram pra delegacia, e lá piorou mais ainda, passei por uns 10 policiais diferentes e todos eles falavam "ctz que foi ele", me olhando com cara de desprezo, e eu permaneci algemado por todo esse tempo, tive que esperar a troca de delegados pra prestar depoimento, pois o que estava na noite saiu justamente na minha vez, e então me colocaram numa cela até chegar a hora de falar com a delegada que chegaria. estava muito frio e depois de ser apedrejado por tantas pessoas pela roupa que eu vestia, eu tirei o moletom, porém estava extremamente frio.
Esperei durante muito tempo nessa cela, e o investigador sempre vinha falar comigo pra perguntar onde eu estava na hora e tudo mais (ele foi extremamente justo e simpático comigo) porém tinha ordens a seguir, e me levou para as vitimas me verem, naquelas salas igual de filme, onde você não vê a pessoa mas a pessoa te vê, e eles como queria achar logo um culpado seguiram dizendo que era eu.
Nesse ponto eu já desacreditava de qualquer desfecho bom, a delegada me ouviu e eu fui muito claro em tudo que eu falei, demonstrei que não tinha nada a esconder, e por fim das contas, o dono da lanchonete era um conhecido de todos da minha família, ele era padrinho das minhas sobrinhas.
E então quando ele chegou na delegacia, ele pediu desculpas a minha mãe e disse pra delegada que não era eu, que se fosse ele saberia pq me conhece desde de criança (na hr que me pegaram no começo da noite ele não quis chegar perto pq ficou com medo, mesmo eu falando que eu conhecia ele não quis ir até a viatura averiguar).
No resumo eu fiquei da meia noite até 9 da manhã algemado, exposto ao frio, recebendo ameaças, somente por eu estar voltando pra casa, com uma roupa velha que eles julgavam ser igual do ladrão. após isso eu fiquei 3 dias sem voz por conta de estar resfriado e ficar no frio, fiquei com mais medo de andar sozinho a noite, pq além desse ocorrido já fui assaltado duas vezes, e toda vez que via uma viatura me recordava o fato e eu ficava meio em panico.
Muitas coisas deram errado pra mim, logo após isso, um mês depois, eu conversei com meu irmão numa sexta feira, ele disse que me amava, e uma semana depois ele se envolveu em um acidente e veio a falecer, são muitas coisas e elas me marcaram e me fizeram ter diversos problemas psicológicos, que não sei exatamente quais são pois não tive condições financeiras de ir a um profissional da área. Hoje em dia eu tento me recuperar de todas essas coisas e algo que vem me ajudando a distrair um pouco é que recentemente depois de muito esforço eu consegui comprar meu primeiro computador e estou fazendo lives no sitezinho roxo, e cada nova pessoa que aparece por lá me dá uma realização nova... se alguem que ler quiser conferir (jogo lol, dota e fortnite... e qualquer jogo que me recomendarem e eu tiver de graça) twitch.tv/joaomezencio ... obrigado por lerem, um grande abraço, desejo a todos o melhor... essa foi minha "não breve" história de como quase fui preso injustamente e se isso ocorresse perderia meu semestre da faculdade. Despreparo é tão perigoso quanto a arma que um policial carrega.
submitted by joaomezencio to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.14 05:36 wotuso Sonhos diferentes se anulam - A eterna vontade de ser quem não se é

Estava pelo YouTube e esbarrei no show de uma banda Argentina no Lolla deles do ano passado, os caras fazem um som bem Kitsch anos 80, que eu amo, e comecei a ver naqueles músicos quem eu sempre quis ser mas por N motivos não caminhei a ser.
Sou um cara tímido, classe média, padrãozinho de quem viraria nerd estudante de alguma engenharia e viveria uma vida normal, se formar, ser empregado de alguém, etc. Algumas coisas dessas se encaixam, acabei fazendo engenharia, acabei vivendo menos aventuras do que gostaria, acabei sim me jogando numa rotina de poucas transgressões e muito desperdício de juventude, mas sempre me pego pensando nas coisas que eu amo fazer escondido, que eu idealizo e não dou um passo sequer pra tornar real.
Por exemplo, amo cantar, muito mesmo, é talvez a única coisa que me dá autoestima. Já cantei para amigos, levo idas ao karaokê como algo sério e tenho ali a unica pitadinha de "ser um artista" que eu sinto que posso ter. Mas é uma coisa íntima, pouca gente que eu conheço viu, quem viu gostou, mas é aquela coisa, eu canto o que gosto e ninguém cola num projeto desse estilo, então fica por isso mesmo. Não queria viver disso nem nada, mas a sensação de poder me apresentar nem que seja pra 20 pessoas que curtiriam uma noite comigo enquanto eu posso cantar músicas que eu gosto é algo que eu idealizo de formas surrealmente mágicas.
Também sonho em morar fora, sonho em viver numa grande cidade da parte Sul da Europa, onde se tem a explosão cultural mas sem que se perca o calor humano. Arranjei um emprego pra encurtar o caminho até isso e sim, talvez eu idealize demais, mas algo dentro de mim diz que dando esse reset eu não vou sentir mais vergonha de ser quem eu queria ser, não vou deixar de cantar, participar das empreitadas que me der na telha ou de expressar coisas em casa que eu, mesmo que ninguém me oprima, quero expressar. O pior é que estou ganhando até bem pra alguém sem curso superior completo, trabalhando remoto, e sendo muito pragmático, eu poderia ir embora agora mesmo, mas talvez o medo me prenda, a instabilidade me faz esperar por ter mais uma grana guardada pra ir com segurança, enfim, mais um pra lista do "poderia fazer agora, procastino mesmo sendo um grande sonho".
O interessante é que todas essas coisas fizeram os seus rasantes no céu da minha história. Tive amizades com pessoas que viviam como eu queria, e isso me doía, pude por breves momentos, viajar para lugares incríveis graças ao esforço de minha mãe (que me criou sem meu pai), viagens essas que me fizeram ter um gostinho de liberdade e efervescência cultural surreais, de conhecer coisas novas, explorar entranhas e curiosidades de cidades que sempre quis visitar. Assim como dizem ser com o uso periódico de drogas, é a sensação de picos de prazer imensos para só então voltar à rotina e perceber que eu só vivia o que achava interessante em situações extremamente pontuais, o que cada vez mais eu percebo ser insustentável.
A vida como uma festa para a qual você não foi convidado.
Também é interessante perceber como a variedade de interesses pode nos trair. À primeira vista, nos sentimos ecléticos, multiculturais, por nos interessarmos muito por diversos tipos de assuntos, formas de arte e tópicos que renderiam muito com pessoas especificamente estranhas mas talvez não tanto com a maioria delas. Mas como ela nos trai? Nos trai a partir do momento que percebemos que o interesse não é infinito, ele se divide, e com muitas aspirações, temos consequentemente, pouco interesse para cada uma delas, o que nos deixa novamente na estaca zero. Ter uma vocação é lindo, sim, mas como encontrar uma vocação quando tudo parece tão interessante ao ponto de nada ser tão interessante assim?
Como diria Síndrome em Os Incríveis: No dia que todos forem super, ninguém mais vai ser.
Pelo menos de faculdade já vou trocar (ou pelo menos ia se não fosse a pandemia), por um dos interesses que talvez seja um dos que mais se destaque. De algum ponto tem que começar, em algum momento eu preciso parar de viver pelo que eu acho que não vão me reprovar e viver pelo o que eu acho que eu mesmo irei me aprovar.
Não sei o que exatamente pretendia com esse desabafo aqui, talvez o fato de não conversar com absolutamente ninguém sobre nada nos últimos meses e raramente fazê-lo nos últimos anos. Mas realmente me peguei pensando porque que a gente acha um estilo de vida incrível, que em tese, só depende da gente pra acontecer, mas ainda assim consegue ser o completo oposto, consegue ter uma vida totalmente contrária a o que a gente idealiza, mesmo tendo todos os recursos para viver uma outra história.
Quando Hobbes disse que o homem era o lobo do homem, esqueceu de dizer que os dois homens são a mesma pessoa.
Se algum amigo meu usar esse /r e ler, vai reconhecer minha história (não que eu tenha muitos).
submitted by wotuso to desabafos [link] [comments]


2020.06.13 03:55 SrtaAnonymouns Amizade, Drogas e Confusões - Eu sou a babaca?

Olá Luba e todo mundo que vai ler está história
Vou tentar encurtar um pouco a história pra não ficar tão grande.
Não sei se essa história vai ser escolhida, mas se for, essas duas ''amigas'' minhas vão vê-la. Enfim, tudo começou em 9/19 de junho de 2016, eu havia acabado de me mudar para minha primeira casa depois que eu, minha mãe e minhas irmãs fomos embora da roça. Houve complicações com meu pai e minha mãe na época. Eu não estava estudando porque estava esperando minha mãe me matricular numa escola depois da Ponte Amarela, no bairro Oficinas Velhas.
No meu primeiro dia de aula, conheci algumas pessoas que ainda falo quando as vejo, e outras, que perdi contato ou que apenas quero distância. Naquela escola eu conheci duas garotas, vou chamar uma de Dyah O´Brien, e outra de Unicórnia Suprema. Nessa época, eu estava na 3 ano. Fiz amizade com a Dyah O'Obrien, a outra ainda não havia chegado naquela escola, nem nos conhecer conhecia. Eu não falava muito com a Dyan, mas ainda assim éramos amigas.
No 4 ano (2017), a Unicórnia Suprema já havia chegado na escola. Eu não fui com a cara dela no começo. Pois como eu me achava muito inteligente, não queria outra garota inteligente na mesma sala que eu. No primeiro dia de aula que ela veio, ela lia os textos com a voz firme e em um bom tom, não errava uma palavra. A Dyah fez amizade com ela. Até que depois de alguns dias eu também fiz o mesmo. Pra mim a Unicórnia era como uma irmã. No 5 ano (2018), no primeiro dia de aula, eu conheci uma outra amiga minha. Essa eu vou chamar pelo nome dela, um nome maravilhosamente que sempre me conforta quando eu fico triste, Layla. Ou L.Burke, como eu e ela demos um novo nome quando eu quis escrever meu livro, e por ela como minha sócia.
Bom, no 5 ano eu conheci a Layla. Teve uma explicação longa da minha professora querida, Márcia. Eu não sabia que tinha de levar minha mãe, mas também não levaria, pois minha mãe com os problemas de saúde que tem, tem horário de tomar os seus remédios. Depois da longa explicação, as outras crianças que seriam nossos colegas foram embora com suas mães. Eu e Layla descemos as escadas para ficar aguardando alguém nos levar para casa. A Layla ia de van, e eu esperava minha mãe ou minhas irmãs me buscarem quando resolviam tudo, lá por volta dos 12:00. Eu e ela ficamos do lado de fora do portão na parte da frente da escola esperando. Eu puxei assunto e perguntei qual era o nome dela, e ela me disse ''Layla'', eu falei o meu também. Perguntei qual era idade e outras coisas a mais, mas a conversa não durou muito tempo. A coordenadora pediu para que entrássemos e ficássemos na cantina esperando. Sentamos na mesa e Layla começou a desenhar uma garota com correntes nos tornozelos, sentada na janela. Eu comentei sobre o desenho, e ela me mostrou outros que ela fizera. Depois eu fiquei deitada em cima de minha mochila, olhando ela desenhar, até que caí no sono.
Depois de uns dias, a Unicórnia Suprema ficou conversando com a Layla, e elas fizeram amizade. Eu até então, só falava com a Layla as vezes. Depois também fiz amizade, e foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida, pois tive ela como amiga. Nós três éramos melhores amigas. Eu ficava falando que nós três nunca nos separaríamos umas das outras, e que nossa amizade duraria para sempre. Eu me enganei. Nesse ano, eu comecei a me cortar, ficar muito triste em alguns momentos, mas ficava pior ainda quando não tinha ninguém por perto. As duas me ajudavam, me apoiavam e me confortavam sempre que podiam. Eu percebi depois de um tempo, que sempre que eu mandava mensagem pra elas no nosso grupo ''As Doc7'', falando que eu ia me matar, eu acabava causando aflição, desconforto e tristeza nelas. Não sei se elas sabiam, mas sempre que eu falava aquilo eu passava o dia chorando, me cortando e sempre tentando me matar. Superei isso tudo depois de um tempo. Um dia, quando eu não tinha respondido a Unicórnia em nenhuma rede social uns dias antes, eu cheguei na escola subindo as escadas pro andar de cima, e ela veio correndo até mim sorrindo e gritando um pouco, vindo me abraçar. Aquilo foi uma das coisas que me ajudou, e que aprecio aquele momento até hoje. Enfim, no final desse ano, nós três nos separamos. A Layla foi pra outra escola quando estávamos indo pro 6 ano (2019), eu e a Unicórnia fomos pra mesma escola. Mas o lance é o seguinte, indo pro final do ano quando a gente tava no 5 ano, eu havia brigado com a Layla que por um motivo que nem sabia. Nós estávamos fazendo nossa formatura do Proerd, foi quando briguei com ela, mas nos resolvemos depois e ainda somos amigas. Depois eu briguei com a Unicórnia, por um motivo bem besta pra falar a verdade, vou explicar. A Unicórnia me mandou mensagem falando sobre uma nova amiga virtual que ela havia feito amizade, eu respondi com um '';-; bom pra tu'' (eu acho) e ela começou a falar que eu não podia falar nada porque ela tinha feito uma amizade nova. Pra falar a verdade já me esqueci o que ela falou, mas foi algo assim. Eu também briguei com ela e depois ela acabou me bloqueando e nunca mais nos falamos. Na época que isso aconteceu eu já tinha me mudado pra minha terceira casa no bairro Oficinas Velhas, a casa ficava atrás do colégio que eu estudo atualmente. Eu sempre ficava vendo aquele conversa, ficava chorando sempre que lia, outras ocasiões que fazia isto eu apenas ficava com raiva e dizia ''foda-se''. Mas nunca conseguia ficar em. No Natal eu chorei no meu quarto porque não pude dar um ''Feliz Natal'' pra Unicórnia Suprema e nem pra L.Burke. No ano novo eu fui pra varanda, me encostei no muro de lá e comecei a chorar porque a Unicórnia não estava lá comigo, sendo que era só eu descer a rua, descer a minha direita, andar um pouco e apertar a campainha e falar com ela. Mas eu não podia fazer isso. Minha mãe me viu chorar e me chamou de trouxa me falando pra eu superar ela. Dizendo que eu não morrer, que eu ia ficar bem. Mas eu não acreditei nisso.
Em 2019 já no 6 ano, no primeiro dia de aula eu fui para o colégio em que eu morava logo atrás. A Diretora começou a chamar os nomes de quem ia ficar na sala 601. Até que meu nome e o da Unicórnia foram chamados, eu não estava acreditando nisso. Eu fiquei aflita, triste, confusa e pensando no que eu ia lhe falar. Até que um dia eu tive a coragem para chamar ela para fora da sala e lhe falar o que eu estava acumulando. Segue a conversa:
- Unicórnia, eu quero lhe falar que eu tô' ficando muito incomodada de te ver sendo amiga de outras garotas - eu disse ( mais ou menos isso)
- É só não olhar - ela disse (mais ou menos isso)
Nós ficamos falando sobre a nossa briga e meio que ''resolvemos tudo''. Eu acho que chorei um pouco, não me lembro. Lembram da Dyan O'Brien? Pois então, eu, a Unicórnia e ela viramos melhores amigas. Sempre falávamos sobre a Layla, e do quanto sentíamos sua falta. Eu me diverti muito com as duas, mas não iria querer voltar a falar com elas.
Em 2019, eu fiz minha mãe chorar muito. Me meti em brigas. Me ''apaixonei'' por alguns garotos, sendo que amava outro desde 2016 (sobrinho da ex do meu pai, um dia falo sobre ele). Me descobri bissexual. E a pior coisa de todas, que eu acho que fez a nossa amizade acabar... as drogas.
Não vou falar coisas que não fiz como fingir que eu era um bandido pra Dyah, falando que eu estava em uma boca de fumo e que se ela falasse alguma coisa pra alguém, iriam dar um tiro na minha cabeça. Confesso que não sei o porquê eu fiz tudo aquilo, mas eu acho que eu só queria atenção, não, eu tenho certeza. Com essa mentira eu acabei prejudicando a Dyah, ela ficou frustada e quando minha mãe soube (a Dyah mandou mensagem pra minha irmã pedindo ajuda e minha mãe soube. Minha mãe veio com uma barra de madeira do trabalho dela só pra me sentar o cacete) Pra mim a Dyah fez o certo, eu mereci apanhar. No dia seguinte após esse, minha mãe me fez abrir as minhas pernas na frente das minhas irmãs pra ver se eu ainda era virgem, e se, não tinha feito algo de errado comigo, um dos meus traumas. Minha mãe foi até a escola saber o que tinha acontecido, ela associou um garoto que eu gostava achando que era o bandido, só porque tinha uma foto dele no meu celular, e porque minha irmã do meio falou que uma vez viu ele fumando maconha no banheiro. Eu fui falar com ele sobre o que tinha feito, mas ele não quis me deixar terminar quando eu falei que a mãe dele poderia vir a escola, e acabei acabando com uma amizade. A Dyah ficou muito frustada com isso tudo, mas depois de um tempo essa confusão se ''acalmou''.
Não vou mentir, a Dyah me chamava de problemática algumas vezes, o que não era tão mentira na época, mas também me machucava.
Enfim, indo agora para as drogas. Isso mesmo, drogas. Na verdade, eram medicamentos psicotrópicos, o que poderiam sesão drogas já que eu me apoiava naquilo como um porto seguro, quando os meus problemas estavam me pesando muito. Um dia quando estava no meu quarto, eu fui usar um dos medicamentos, e minha cabeça começou a doer muito. Doía tanto que eu chegava a me debater na cama. Quando estava doendo eu fiquei me debatendo, até que resolvi me levantar e tomar um banho frio, mas adivinha, não resolveu. Depois eu peguei gelo, e pus em minha toalha, colocando a parte que estava com gelo na minha cabeça para a dor ''passar''. Ainda me debatendo, eu não consegui parar a dor, até que eu apaguei. Por conta daquela dor, sempre que eu usava a droga, eu desmaiava, pois da primeira vez que tive a dor, quase tive uma overdose (foi o que me pareceu). Quando eu desmaiava eu não sentia dor, só apagava.
Como um exemplo disso, uma vez eu levei a droga pra escola, e usei com uma amiga minha, vou chamá-la de Nick. Ela não sabia usar direito, e eu sabia o efeito que ia causar nela, então eu usei tudo pra ela não ficar tão mal. Eu falei pra Nick que tinha drogas, e ela quis usar. Mas eu não queria que ela ficasse tonta e depois apagasse no meio da aula, então usei tudo por ela. Quando eu usei a droga, nós estávamos rindo, até que eu vi a cara da Dyah, e meu sorriso se desfez. Eu sabia que eu estava fazendo algo de errado, mas eu não parei. Depois voltei a sorrir, já temendo que eu sofresse uma overdose de verdade agora. No meio da aula, o garoto que eu amava, vou chamá-lo de Coxinha, e outro amigo dele, vou chamá-lo de Cafetão, viram que a Nick estava meio sonolenta, então me pediram pra trazer ela pra perto de nós. Quando eu me levantei minha cabeça começou a dar pontadas de dor, mas eu não liguei. Eu fui pegar a Nick e coloquei ela sentada logo atrás de nós. Quando a aula começou as dores pararam, mas eu estava muito tonta e sonolenta. Eu coloquei meu caderno e meu estojo pra debaixo de minha mesa, e depois coloquei minhas mãos na minha cabeça, tentando ficar acordada...até que eu apaguei. Eu não lembro do que estava acontecendo quando eu estava apagada, mas enquanto estava apagada eu vi minha mãe chorar, e comecei a ouvir a voz do Coxinha e do Cafetão. Eles me ajudaram a levantar e eu fui pra sala perto da diretoria, esperar minha família vir me buscar. Depois desse dia, a Dyah e a Unicórnia começaram a se afastar de mim, mas não foi tão rápido assim.
Um dia, elas simplesmente pararam de falar comigo. Não falaram comigo o por quê de estarem indo embora. Ou o que eu tinha feito. Não me eixaram explicar, apenas foram. Eu insisti tanto, tentei falar com elas, mandar alguns amigos meus perguntarem o motivo delas terem ido embora, mandei carta, tentei falar o assédio que havia sofrido. Mas elas não vieram.
Na verdade, esse assédio aconteceu quando eu tinha 8 anos. Eu comecei a gostar de um garoto quando tinha 8 anos e eu estava no 2 ano nessa época. Eu estava logo atrás do armário de materiais pra artes e afins, e fiquei olhando pra ele sentado na cadeira, por um espaço que tinha lá. Ele chamou a prima dele, e falou algo no ouvido dela. Eu ainda estava sorrindo, pensei que ele mandou a prima dele dizer pra mim algo carinhoso de criança. Mas na verdade, ela veio e falou: '' Carls me pediu pra fazer isso em você'' e mexeu no meu peito. Eu fiquei confusa e depois voltei a olhar pra ele no espaço que tinha ali, nessa hora já não estava mais sorrindo. Depois ela voltou, falou a mesma coisa, e mexeu na minha vagina. Eu cobri meu peito com meus braços, e quando ela foi embora, eu comecei a escorregar pela parede até cair no chão chorando. E aquilo doeu muito. Meu melhor amigo de infância, Ricardo, falou pra professora que eu estava ali. Ela me perguntou o que aconteceu, mas eu não disse nada, porque eu olhei pra aquele garoto, e senti medo e raiva. Eu vi ele sorrindo pra mim. E quando eu falei pra elas sobre o assédio, eu não falei sobre esse garoto. Eu inventei uma história sobre um cara mais velho que na verdade eu nem conhecia. E por quê eu fiz isso? Porque na época que eu falei sobre o assédio, esse mesmo garoto estava me mandando mensagens, e eu estava assustada, ms não conseguia falar pra ninguém, mais um dos meus traumas. Por isso inventei a história e um homem mais velho. Tomara que elas não tenham acreditado, porque eu realmente estava com muito medo na época, e não queria que ninguém acreditasse naquilo. Mas que invés disso, me perguntassem o que realmente acontecendo, só que a vida não é tão boa assim. Quando eu falei sobre o assédio, eu ainda me desculpei por ter parado de falar com elas, sendo que elas que parara de fala comigo. A Unicórnia apenas disse ''Tá bom'', mas eu sabia que nada tinha se resolvido. Um grupo de apoio de adolescentes do colégio veio até nossa sala, e eu quis falar a verdade, ele estavam falando sobre assédio virtual. Eu fui até eles, mas eu só disse ''Quando eu estiver pronta eu posso vir aqui?' eles me disseram sim e eu voltei pra sala. A minha amiga Nick me perguntou se eu falei sobre o assédio, e eu disse que não.
Enfim, eu nunca soube o que era ao certo o motivo delas terem partido da minha vida. Eu achava que eram as drogas, mas até hoje não tenho certeza. Uma vez pedi um amigo meu e da Unicórnia pra perguntar à ela qual foi o real motivo, e ela disse ''Ah ela tava insuportável''. Eu vi o print da conversa. Eu não chorei, não senti raiva, ódio, repúdio, dor e nem nada. Só um vazio de decepção.
Depois de um tempo eu falava delas algumas vezes pros meus amigos, reclamando que elas não tiveram a coragem nem de me dizer o que eu fiz. Mas aí eu parei, e ''esqueci'' tudo.
Hoje em dia, pra mim, elas são apenas lembranças de algo bom e ruim que aconteceu na minha vida. Não gosto da ideia delas terem me deixado sem dizer nada, mas também não as culpo. Elas foram importantes pra mim por um tempo. Eu excluí fotos e vídeos delas do meu celular e das minhas redes sociais, pras não lembrar mais delas, mas ainda as tenho na minha lembrança. Sempre que fico me sentindo triste, com raiva ou vazia, eu escuta a música ''Home'' da Daughter de um vídeo que eu fiz pra Dyah O'Brien. Quando eu fiz esse vídeo, eu fiz pela letra da música, pois eu sabia que ela iria embora, e ia ser breve a sua partia. Não vou por o vídeo aqui pois está com uma foto dela. Mas essa música sempre me acalma, pois lembro do dia que estávamos no segundo pavilhão do colégio, tirando fotos ou apenas conversando esperando nossos pais chegarem. Eu estava deitada no colo dela no banco. Um dos dias mais especiais pra mim. Elas não são uma lembrança ruim, mas também não são uma lembrança boa. Com a partida delas eu amadureci mais, me indireitei, me resolvi com minha família (mais ou menos) e estou querendo um futuro pra mim vida.
Agora depois do apagão que eu tive em 2019, eu nunca mais usei medicamentos psicotrópicos. Eu estou estudando mais, pensando em fazer medicina e virar neuro-cirurgiã, pra ajudar pessoas com problemas iguais ao de minha mãe, ou virar General do exército das Forças Armadas. Quero arrumar um/uma namorada/namorado, que espere eu ter meus 15 anos pra namorar. Que fique comigo por muito tempo, e que respeite minhas decisões sobre sexo, política, religião, família ou qualquer outra coisa. Quero vencer na vida e dar orgulho pra minha família.
Estou juntando dinheiro pra pagar minha faculdade e ter uma boa via morando com minha melhor amiga Emilly.
Mas pra falar a verdade, a Dyah O'Brien e a Unicórnia não me ajudaram a pensar nisso tudo, ou até, a querer mudar. Eu só mudei.
E em relação a aquele garoto do assédio, eu falei poucas e boas pra ele esses dias, pra ele me deixar em paz, e ele finalmente foi embora.
Espero que quem leia a história da minha recuperação se apoie nela, e se ajude a melhorar. Lubixco e for contar minha história, faça dela também como uma história de auto-ajuda. Mas passar bem, e ah antes que eu me esqueça.
Fui babaca em relação a Dyah e a Unicórnia?
submitted by SrtaAnonymouns to TurmaFeira [link] [comments]


2020.04.25 17:51 heimmthestranger A pandemia ta me deixando totalmente sozinho

Em primeiro lugar eu quero pedir desculpas por desabafar aqui de novo, visto q meu ultimo post foi nesse sub tbm (eu geralmente só lurko msm, não gosto muito de falar em rede social) Eu to ficando muito mal nessa pandemia, nível ja n sei mais o que fazer. Meu último relacionamento amoroso com alguem terminou vai fazer 2 anos sexta que vem. Desde então, eu não consigo me interessar minimamente por ninguem. E isso vem me deixando cada vez mais sozinho. Meus pouquissimos amigos (que eu venho perdendo proximidade tambem ja tem uns anos) ja nem ligam mais quando falo disso com eles, eles ja acham que é brincadeira. Mas não é. Eu devo esclarecer que tenho vida social ativa, faço faculdade, saio com o pessoal etc, mas em questão de me relacionar com alguem eu simplesmente não consigo. Eu tava me sentindo bem mal com isso já desde bem antes da pandemia, mas agora que ela cortou a única "chance" que eu tinha de conhecer gente nova e eventualmente me interessar por alguem eu to ficando muito pior. Eu não consigo usar Tinder e esses apps do tipo pq eu tenho a auto estima bem baixa e sempre me sinto pra baixo usando, principalmente agora que o Tinder resolveu mostrar o número de curtidas que voce ganha e o meu é sempre baixíssimo. E pelo que o pessoal fala, eu não sou "feio" (nem bonito tambem), eu sou normal, na média ali. Pra piorar tudo, umas duas semanas atras uma menina da minha faculdade que tinha falado que tinha interesse em mim (a única pessoa que fez isso ano passado inteiro) me confessou que ela só fez isso pq uma amiga em comum nossa falou pra ela fazer pq eu tava muito pra baixo e talvez desse certo (não deu, a gente n tem nada em comum) Eu tenho uma tia muito próxima (como eu não tive contato com meus avós que morreram antes de eu nascer, ela sempre foi meio que minha vó) que nunca casou nem nada e eu vejo ela hoje totalmente sozinha e tenho muito medo de acabar assim. Eu to bem mal com tudo isso e eu ja pensei em me matar diversas vezes no último mes, em especial ontem foi um dia bem pesado nesse aspecto. Meu psicólogo falou que ia me atender online e simplesmente sumiu e parou de me responder antes de marcar um horario. Foi meio que um clusterfuck de ideias, eu to bem mal e n to nem conseguindo escrever direito, mas como esse sub é pra desabafo eu sei lá, só escrevi msm. Desculpa de novo por ter postado Ps: pra situar: homem, 24, bi Edit: esqueci de uma situação: final do ano passado um amigo da sala falou que tinha gente no curso que se interessava por mim, eu não sei se ele falou pra "me botar pra cima" e se realmente tem, mas o fato de ter falado isso e essa pessoa interessada nunca ter aparecido me fez bem mal tambem
submitted by heimmthestranger to desabafos [link] [comments]


2020.04.10 04:33 Wolfanov Uma amizade que perdi que nunca superei

Ter achado esse sub foi muito legal, depois de ler vários relatos, resolvi contar minha história para pedir opiniões do pessoal daqui.
Pois bem, há mais ou menos 3 anos, eu era um estudante universitário que adorava fazer amizades novas, sempre tive um jeito de conseguir fácil que as pessoas gostem e confiem em mim, um lado meu que tenho bastante orgulho (muita gente fala que sou legal e faço amizade fácil, e isso é verdade). Nessa época, eu usava muito página de "Spotted" (páginas onde pessoas postam mensagens anônimas com intuito de conhecer gente, via facebook) e me deparei com a mensagem de uma pessoa querendo amizades novas, prontamente respondi e essa pessoa entrou em contato, era uma garota que tinha não tinha amigos na faculdade, pois bem começamos a conversar e uma amizade sincera surgiu ai.
Os meses foram passando, e o papo com ela era muito legal, ela me falava seus medos, anseios, sonhos, traumas, e eu como um bom ouvinte e amigo escutava e dizia o que eu achava, nos encontrávamos quase toda a semana para sentar e conversar entre aulas na faculdade, cheguei até a ir na cidade dela para ver ela durante as férias, ficamos no shopping e ela disse q nunca teve um amigo para fazer isso, e que ela tinha sorte de ter me conhecido. Só que nesse meio tempo comecei a desenvolver um sentimento a mais por ela, pensava nela todo dia, ela era muito bonita e eu estava solteiro na época, pois bem tentei mostrar algum flerte e em certas horas achei que ela estava correspondendo, ledo engano.
Chegou junho, e com isso veio época de festa junina, dia 28 de junho de 2018 foi a última vez que conversei com ela, combinamos de nos encontrarmos na festa junina e curtir um pouco, beber, conversar e ela queria fumar um baseado comigo, ficamos chapados e realmente na hora eu pensei que estava rolando um clima, um momento tentei ficar com ela e ela se afastou, eu respeitei e ela desconversou e pensei "poxa, já que ela não quis, vou ficar quieto" pedi desculpas e ela ficou tranquila. Na hora de ir embora, nos despedimos e ela me desejou boa volta pra casa, ainda no meio do caminho conversamos via whatsapp e achei que estava tudo bem depois deste deslize.
No dia seguinte, esperei para mandar mensagem e mandei apenas na hora do almoço, ela me respondeu de um modo seco e muito estranho, e quando falei algo ela mudou o assunto e começou a me xingar, dizendo que eu fui um estúpido ao tentar beijar ela, que ela sentiu nojo de mim, e que a partir daquele momento não teria mais conversa comigo, me bloqueou de todas as redes e nunca mais falou comigo depois disso. Fiquei arrasado, me culpei durante meses porque acima de tudo eu gostava da amizade dela, gostava dos papos e joguei tudo por ralo abaixo por causa de uma análise superficial de sentimentos que não existiam em ambas as partes.
Eu a encontrei algumas vezes pelos corredores da faculdade e ela nem olhava mais para mim, era muito ruim isso, viramos dois estranhos novamente, foi doloroso. Ano passado, mandei um email para o contato dela, escrevendo tudo q eu tinha pensado e repensado e nunca ganhei uma resposta, se ela leu ai já é outra história. Fiquei muito mal com essa história porque sempre me vi como um "cara legal demais" e isso me mostrou que todos nós cometemos falhas, e hoje aprendi bastante com essa lição, tenho que aceitar que ela me odeia e sente nojo de mim hoje, as vezes acho que superei mas sempre pego pensando nela, se ela está bem, se está namorando e como ela está nesse período de quarentena, eu só desejo o bem a ela. Eu também acho que fui apaixonado nela, mas eu não sei, o que vocês acham? obrigado pela atenção e desculpa o texto longo
submitted by Wolfanov to desabafos [link] [comments]


2020.03.21 19:25 Monkey_of_soup Eu estou regredindo?

Sempre tive muito problema com socialização e conhecer pessoas novas, porém, conheci uma pessoa incrível que me ajudou MUITO com isso, conversava com ela quase que todos os dias o dia inteiro, só que, ela entrou na faculdade e teve que se mudar, a gente ficou um curto período de tempo sem se falar, mas agora ela já está de volta, porém eu não consigo mais falar com ela e com nossos amigos como antes, eu simplesmente evito, ela até me perguntou o porquê eu estava meio sumido e eu sempre falei que era por causa da grande quantidade de pessoas na chamada e que eu não me sinto muito confortável em multidões, sendo que muitas das vezes tem 2 ou 3 pessoas na chamada, e isso tá me deixando triste, eu queria alguns conselhos ou alguma explicação do porquê talvez eu esteja assim.
submitted by Monkey_of_soup to desabafos [link] [comments]


A ESTRATÉGIA PARA CONHECER PESSOAS NOVAS FACULDADE: AMIZADES E TIMIDEZ NOS PRIMEIROS DIAS! Como Conhecer Pessoas Interessantes  Karina Barretto ... VOCÊ PRECISA IR EM FESTAS (ATÉ MESMO SE FOR SOZINHO) COMO SER POPULAR NA ESCOLA NOVA by Ashley - YouTube COMO FAZER AMIGOS NA ESCOLA NOVA/FACULDADE #raqtododia4 DESCOBRINDO ALGUNS SEGREDOS (EP. 2) - COMO SOBREVIVER NA ...

Como conhecer pessoas novas: 8 dicas simples e aplicativos ...

  1. A ESTRATÉGIA PARA CONHECER PESSOAS NOVAS
  2. FACULDADE: AMIZADES E TIMIDEZ NOS PRIMEIROS DIAS!
  3. Como Conhecer Pessoas Interessantes Karina Barretto ...
  4. VOCÊ PRECISA IR EM FESTAS (ATÉ MESMO SE FOR SOZINHO)
  5. COMO SER POPULAR NA ESCOLA NOVA by Ashley - YouTube
  6. COMO FAZER AMIGOS NA ESCOLA NOVA/FACULDADE #raqtododia4
  7. DESCOBRINDO ALGUNS SEGREDOS (EP. 2) - COMO SOBREVIVER NA ...

Nesse vídeo conto como superar a timidez e o medo, e também fazer novas amizades nos primeiros dias de faculdade! O objetivo do Luiza Tomasuolo Blog é mostrar que a vida pode (e deve) ser ... COMO FAZER AMIGOS NA ESCOLA NOVA/FACULDADE #raqtododia4. With Love, R. ... COMO FAZER AMIGOS NA ESCOLA(1ºs dias de aula) - Duration: ... 6 maneiras de fazer com que as pessoas gostem de você ... sair sozinho,como sair sozinho,ir em festas sozinho,festas da escola,como agir em festas,como agir em encontro,como se divertir sozinho,solidÃo,como conhecer pessoas,como socializar,como ... “Como sobreviver na escola” é a primeira Websérie do canal! Quem já assistiu o primeiro episódio já sabe que as coisas não estão indo nada bem para Jé, mas e... Em 5 minutos, vou te contar o que demorei 3 anos para aprender: 'A estratégia' ideal para conhecer pessoas novas! Não custa nada, bro! E tenho certeza que vo... We life everyday our busy lives, stuck in our phones, looking down and don't perceive the people that share the subway, the work table, a seat on the footbal... Primeiro dia de aula numa ESCOLA NOVA??? A chance perfeita para se tornar a garota mais popular como a Ashley!!! Por isso hoje nossa patricinha adolescente v...